Parlamento Europeu escolhe sucessor de Schulz sob signo “tricolor” da Itália

  • Lusa
  • 16 Janeiro 2017

Os deputados europeus vão escolher esta segunda-feira quem vai suceder ao alemão. A sessão plenário será entre hoje e quinta-feira pelo que o sucesso pode não ser conhecido já.

O Parlamento Europeu (PE) reúne-se em sessão plenária, em Estrasburgo (França) entre hoje e quinta-feira para eleger o sucessor do alemão Martin Schulz na presidência, com os italianos Antonio Tajani e Gianni Pittella na “pole-position” da corrida.

Depois de o socialista Schulz ter decidido dedicar-se às questões internas no seu país, ao cabo de dois mandatos, o antigo comissário democrata-cristão Tajani (PPE) e o ex-vice-presidente socialista do PE Pitella, atual presidente do grupo Socialistas e Democratas (S&D), são os mais óbvios candidatos aos restantes dois anos e meio de legislatura.

A tradição é de rotatividade entre as duas grandes famílias políticas europeias, mas o líder belga da Aliança dos Democratas e Liberais pela Europa (ALDE), Guy Verhofstadt, pode baralhar as contas nas sempre complicadas negociações de bastidores.

Além do substituto de Schulz, que vai concorrer ao parlamento alemão nas próximas eleições e pode vir a desafiar a chanceler Angela Merkel, os 751 eurodeputados dos 28 estados-membros, representando os cerca de 500 milhões de habitantes, vão ainda decidir sobre 14 vice-presidentes, cinco gestores (gestores administrativos do PE) e os membros das 22 comissões permanentes.

Na terça-feira, a eleição para vice-presidente começa às 12:00 (13:00 em Lisboa) e pode ir até às 22:00, caso sejam necessárias uma terceira e quarta votações. Para uma eleição à primeira volta é necessária maioria absoluta dos votos expressos – metade dos votos expressos mais um.

Entre os inscritos estão ainda outra italiana Eleonora Forenza, membro da comissão executiva da Esquerda Unitária Europeia/Esquerda Nórdica Verde (GUE/NGL), o britânico Jean Lambert – Verdes/Aliança Livre Europeia, o romeno Laureniu Rebega (Europa das Nações e da Liberdade) e a belga Helga Stevens (Conservadores e Reformistas Europeus).

As candidaturas podem ser apresentadas através de um grupo político ou um mínimo de 38 tribunos. Contudo, novos candidatos poderão colocar-se em posição antes de cada uma das voltas, à exceção da quarta e derradeira, destinada somente aos dois com mais votos na terceira ronda. Numa hipotética quarta votação é eleito o candidato mais votado e, em caso de empate, o mais velho.

Todos os cargos sujeitos a sufrágio no PE são renovados no início de cada legislatura (sessão plenária de 01 a 03 de julho de 2014) e, agora, a meio dos cinco anos. Na quarta-feira, acontece a eleição dos 14 vice-presidentes, a partir das 08:00 e até às 16:00 locais (mais uma hora que em Lisboa), se forem precisas uma segunda e terceira voltas. Os cinco gestores são escolhidos das 15:30 às 19:30, se houver lugar a uma segunda e terceira votações.

A lista dos eurodeputados para as 22 comissões parlamentares, nomeados pelos grupos políticos e pelos parlamentares não inscritos em qualquer das forças instituídas, será votada em plenário na quinta-feira, entre as 11:00 e as 13:00. As comissões vão depois eleger os respetivos presidente e vice-presidentes nas primeiras reuniões, já em Bruxelas, na Bélgica.

Ao mesmo tempo, será apresentado o programa da inédita Presidência Europeia semestral por parte de Malta, através do primeiro-ministro maltês, Joseph Muscat. Pelas 14:00, há intervenções do presidente do Conselho Europeu, o polaco Donald Tusk, e do presidente da Comissão Europeia, o luxemburguês Jean-Claude Junker, sobre as conclusões da última cimeira de líderes europeus (15 de dezembro).

Portugal está representado no PE por 21 deputados, oito do PPE (seis do PSD, um do CDS-PP e um do MPT), oito dos S&D (PS), quatro da GUE/NGL (três do PCP, uma do BE) e um da ALDE (PRD).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu escolhe sucessor de Schulz sob signo “tricolor” da Itália

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião