Schulz deixa o Parlamento Europeu. Desafia Merkel

  • ECO e Lusa
  • 24 Novembro 2016

O atual presidente do Parlamento Europeu poderá estar de saída do cargo para voltar à política alemã. É visto como um potencial concorrente de Merkel.

O presidente do Parlamento Europeu, o social-democrata Martin Schulz, vai deixar o cargo para se lançar na política alemã. Poderá vir a desafiar a chanceler Angela Merkel nas legislativas de 2017.

Schulz, de 60 anos, que lidera o Parlamento Europeu desde 2012, salientou no discurso em que anunciou que não se recanditará ao cargo atual que “mais do que nunca, o mundo precisa de uma União Europeia unida”. E “a partir de agora, irei lutar por este projeto a nível nacional”, ou seja, na Alemanha.

Schulz não o assumiu, mas poderá vir a fazer frente a Merkel nas legislativas do próximo ano. Schulz poderá substituir o ministro dos Negócios Estrangeiros, Frank-Walter Steinmeier, que é um dos principais candidatos para a presidência da Alemanha, ou posicionar-se para a chancelaria, frente a Merkel.

Angela Merkel apresentou, na última semana, a sua recandidatura, a quarta, à liderança da maior economia da Europa. “Pensei nisto durante imenso tempo. A decisão de concorrer a um quarto mandato – depois de 11 anos no cargo – é tudo menos trivial” disse a chanceler alemã em conferência de imprensa, depois de uma reunião porta fechada com dirigentes da CDU.

A líder conservadora de 62 anos é amplamente vista como uma força estabilizadora na Europa, sobretudo depois do referendo no Reino Unido que ditou a saída da União Europeia, mas também depois da vitória de Donald Trump como Presidente do Estado Unidos. Merkel surge como o bastião dos valores liberais do Ocidente.

(Notícia atualizada às 9h40 com as declarações de Martin Schulz)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Schulz deixa o Parlamento Europeu. Desafia Merkel

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião