Subida do petróleo com corte da OPEP? Não durará

Falta uma semana para a reunião. No meio de avanços e recuos, os preços vão-se aproximando dos 50 dólares por barril. Um corte vai puxar pelas cotações, mas a AIE diz que a subida não vai durar.

O petróleo tem andado ao sabor do acordo para o corte de produção na Organização dos Países Exportadores do Petróleo (OPEP). E um entendimento para concretizar esse mesmo corte pode levar o barril a cotar nos 60 dólares, prevê a Agência Internacional de Energia (AIE), mas rapidamente voltará aos níveis atuais.

O West Texas Intermediate, negociado em Nova Iorque, segue a ganhar 0,15% para 48,03 dólares, já o Brent avança 0,1% para cotar nos 49 dólares por barril, mantendo-se perto dos 50 dólares. E se a 30 de novembro houver acordo, Fatih Birol, o diretor da AIE, acredita que os preços poderão disparar até aos 60 dólares.

Irão e Iraque estão a atrasar um acordo para o corte da produção, mantendo o suspense até ao dia da reunião em Viena, na Áustria. A ideia é que um corte na oferta reduza o excesso de petróleo no mercado. Com menos petróleo, os preços deverão subir. Mas a equação não será assim tão simples, de acordo com o líder da AIE.

Os preços até podem disparar numa fase inicial, mas depois a oferta da matéria-prima deverá voltar a aumentar. Não será pela OPEP, mas pelos EUA. Fatih Birol, em entrevista à Bloomberg, acredita que com o barril acima dos 50 dólares, os produtores de petróleo de xisto poderão acelerar o ritmo de produção já que tornará as suas explorações mais rentáveis.

Caso esse movimento seja uma realidade, os preços da matéria-prima poderão rapidamente voltar a cair. O responsável da AIE dá um prazo de nove meses até que no período pós corte da oferta da OPEP as cotações voltem a recuar para os níveis a que estão atualmente, ou seja, em torno dos 50 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Subida do petróleo com corte da OPEP? Não durará

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião