Bancos antecipam maior procura de crédito

Segmento dos particulares é onde se deverá sentir uma maior procura de crédito no próximo trimestre, aponta inquérito do banco de Portugal a cinco grupos bancários.

Os últimos três meses de 2016 foram marcados por um aumento da procura de crédito junto de alguns dos principais bancos nacionais, uma tendência que deverá ter continuidade no trimestre corrente. Esta é uma das principais conclusões possíveis de retirar do último inquérito trimestral do Banco de Portugal sobre o mercado de crédito, divulgado esta terça-feira.

Para estes três meses, a maioria dos cinco grupos bancários sondados pela entidade liderada por Carlos Costa não antecipa alterações significativas na procura de empréstimos, contudo existem exceções, sobretudo no caso do financiamento aos particulares. Para este segmento, são duas as instituições financeiras a antecipar um aumento ligeiro da procura de crédito, tanto para aquisição de casa como para consumo e outros fins. Já entre as empresas, um banco antecipa uma subida ligeira da procura de empréstimos ou linhas de crédito, enquanto dois bancos preveem um aumento da procura por parte das Pequenas e Médias Empresas (PME).

Já no que respeita aos critérios exigidos para a concessão de crédito, os bancos inquiridos não antecipam que venham a ocorrer grandes alterações durante o atual trimestre. Um cenário um pouco distinto face ao último trimestre, onde alguns bancos sinalizaram uma menor restritividade desses critérios, tanto para as empresas como para os particulares.

De acordo com o Banco de Portugal, duas instituições financeiras reportaram spreads mais baixos para empréstimos de risco médio e uma instituição sinalizou um aumento do montante dos empréstimos ou linhas de crédito. Uma situação que, segundo o Banco de Portugal foi justificada pela “maior pressão exercida pela concorrência” que contribuiu para que a “redução da restritividade associada aos termos e condições”.

Já entre os particulares, algumas instituições apontaram também as pressões exercidas pela concorrência, bem como as melhores perspetivas do mercado de habitação, incluindo a evolução esperada dos preços da habitação e a situação e as perspetivas económicas gerais, como fatores que contribuíram para a redução da restritividade nos empréstimos concedidos a particulares. No que respeita aos termos e condições, duas instituições indicaram uma redução ligeira dos spreads nos empréstimos de risco médio concedidos a particulares para a compra de casa, enquanto uma instituição reportou uma evolução semelhante no caso dos empréstimos para consumo e outros fins.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bancos antecipam maior procura de crédito

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião