CGD: Macedo já tem ok. Falta parte da equipa

  • ECO
  • 18 Janeiro 2017

O Banco Central Europeu já deu a sua aprovação ao presidente da CGD. Falta ainda a ""luz verde" a alguns dos membros da equipa para ficar fechado este capítulo.

Paulo Macedo já tem a aprovação do Banco Central Europeu (BCE) para liderar a Caixa Geral de Depósitos (CGD). Para que o presidente executivo possa tomar posse com a equipa completa falta ainda a “luz verde” do conselho permanente do BCE para alguns dos nomes apresentados por Macedo. Dos oito, cinco já têm o ok.

Além de Macedo, BCE já confirmou a idoneidade de seis dos oito nomes submetidos pelo Banco de Portugal, salientam tanto o Público (acesso condicionado) como o Jornal de Negócios (acesso pago), depois de no início da semana o ECO ter afirmado que este ok estava por dias. Dos nomes validados pelo BCE, apenas um é não executivo, estando em fase de conclusão final a análise de dois gestores, acrescenta o Público.

Paulo Macedo vai conduzir os destinos da Caixa, em substituição de António Domingues, juntamente com José João Guilherme, antigo administrador do BCP e do Novo Banco, e do adjunto do secretário de Estado do Tesouro, Nuno Martins. A Caixa contará ainda com uma administradora, Maria João Carioca, que abandona a liderança da Euronext Lisboa, para regressar ao banco público.

A estes elementos, também se junta Francisco Cary. Foi quadro do Grupo Espírito Santo e administrador do BES Investimento (atualmente conhecido por Haitong Bank). Finalmente, o outro nome que integra a administração executiva é João Tudela Martins, que já fazia parte da equipa anterior. Neste momento, é o chairman indigitado Rui Vilar – estava na equipa de Domingues e continuará com Paulo Macedo – que assegura a transição de administrações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CGD: Macedo já tem ok. Falta parte da equipa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião