Vídeo: UGT promove, literalmente, assinaturas da concertação social

  • João Santana Lopes
  • 17 Janeiro 2017

O Acordo de concertação social que prevê a descida da TSU está assinado. Tem dúvidas? A UGT fez um vídeo para o demonstrar e até o promoveu no facebook.

15h24. O acordo está mesmo assinado. Pelo menos, do lado da UGT, do Governo, da Confederação dos Agricultores de Portugal e da Confederação do Turismo de Portugal, àquela hora desta terça-feira, estava.

O dia foi marcado pelo “assunto Taxa Social Única (TSU)” (mais concretamente a descida desta) e, no Parlamento, a discussão esteve, como seria expectável, quente. Um dos pormenores a marcar o debate foi lançado por Assunção Cristas: a líder do CDS-PP acusou o primeiro-ministro de, à hora do debate quinzenal, não ter o acordo assinado por todos os parceiros.

Ao início da noite, a UGT divulgou um vídeo onde podem ver-se o secretário-geral e o secretário-geral adjunto da central sindical a indicar que a organização iria proceder à assinatura do acordo e a explicar as razões da mesma.

O vídeo teve início, segundo Carlos Silva, às 15h22 e o acordo foi assinado 2 minutos depois. São quase 3 minutos de som e imagem que foram postos nos canais da central sindical: YouTube e Facebook, com partilha também no Twitter.

Para deixar a certeza aos portugueses sobre a sua posição, a central sindical, curiosamente, até pagou para promover o vídeo no Facebook, como se vê na imagem.

ugt_facebook

A organização pretende convencer os partidos que, ou estão indecisos ou se preparam para votar contra a descida da TSU, num pedido de apreciação parlamentar que foi hoje entregue pelo PCP.

Moral da história? O acordo já está assinado por todos os parceiros (veja abaixo o tweet publicado pelo Ministério do Trabalho), já está divulgado e, agora, começa o caminho para a sua possível reversão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Vídeo: UGT promove, literalmente, assinaturas da concertação social

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião