Depois do rally, investidores afastam-se de Trump

As bolsas viveram fortes ganhos desde a eleição de Donald Trump para a Casa Branca, mas com a chegada do dia em que o novo presidente toma posse os investidores estão a afastar-se do risco.

Donald Trump deu um dos melhores desempenhos de sempre aos mercados acionistas no período pós-eleição para a presidência norte-americana. Um rally que contagiou as restantes praças mundiais, mas que parece estar a chegar ao fim. Há cada vez mais investidores a retirarem dinheiro de ativos de risco, como as ações.

As bolsas norte-americanas acumularam uma valorização de praticamente 8% desde as eleições, um registo quase só igualado por Coolidge em 1924 e McKinley em 1900. Uma forte subida à custa das promessas de investimentos avultados, mas que pode estar a chegar ao fim. O Bank of America revela que só na última semana foram retirados 2,5 mil milhões de dólares de fundos de ações norte-americanas.

“Há sinais de tomada de mais-valias após as fortes subidas com Trump”, diz o banco de investimento, citado pela Bloomberg. E isso acontece tanto nos fundos norte-americanos, onde se destacaram os fundos de empresas financeiras que registaram os primeiros resgates em 17 semanas, como nos europeus de onde foram resgatados 700 milhões de dólares, o valor mais elevado em seis semanas.

Ao mesmo tempo, o Bank of America nota que os fundos que investem e matérias-primas, especialmente em metais preciosos, como o ouro, registaram a primeira entrada líquida de capitais em dez semanas. Ou seja, um sinal de que os investidores começam a proteger-se, isto quando trump se prepara para assumir o poder nos EUA.

Tomada de posse negativa

Se Trump patrocinou uma forte valorização dos mercados acionistas neste período prévio à tomada de posse, no dia em que será investido presidente do EUA o multimilionário terá dificuldade em ver os índices no verde.

De acordo com dados compilados pelo Zero Hedge, apenas 33,3% dos presidentes-eleitos foram presentados com ganhos em Wall Street. Em média, diz o site, o resultado da sessão de estreia como presidente foram negativos, registando-se quedas de 0,9%, média, nos índices de referência norte-americanos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do rally, investidores afastam-se de Trump

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião