Trump antecipa fim da UE que, “basicamente”, é a Alemanha

Numa polémica entrevista, o magnata afirmou que o Reino Unido foi "inteligente" em optar pelo Brexit e que a União Europeia (UE), prestes a colapsar, não passa de "um veículo para a Alemanha".

Ainda restam dúvidas de que Donald Trump dispara para todo o lado? O magnata deu uma entrevista ao The Times e, desta vez, os alvos foram a União Europeia (UE) em geral e a Alemanha em particular. Em entrevista ao antigo líder trabalhista Michael Glove (até a escolha do entrevistador está a gerar polémica), Trump antecipou o colapso da UE que, diz, não é mais do que “um veículo” alemão.

“Olha-se para a UE e é a Alemanha. Basicamente, é um veículo para a Alemanha. Por isso é que acho que o Reino Unido foi tão inteligente em sair”, disse o próximo presidente dos Estados Unidos da América na entrevista. Trump defendeu ainda que outros países deverão seguir o exemplo do Reino Unido: “Acredito que outros vão sair. Realmente, eu penso que manter [a UE] unida não vai ser tão fácil como muita gente pensa”, disse.

Donald Trump disse-se ainda empenhado em fazer “rapidamente” um acordo comercial entre o Reino Unido e os Estados Unidos logo depois do Brexit: “Sou um grande fã do Reino Unido. Vamos trabalhar em conjunto para o fazer devidamente e de forma rápida. Bom para ambas as partes”, afirmou.

De resto, segundo o jornal britânico The Guardian, Trump falou ainda de política externa, indicando que poderá também fazer um acordo com a Rússia e levantar as sanções impostas por Barack Obama após suspeitas de que o país tentou influenciar o resultado das eleições presidenciais.

A entrevista de Donald Trump está a gerar polémica pelas declarações do magnata e pelo facto de Michael Glove ser um conhecido defensor da saída do Reino Unido da UE. A entrevista está ainda a pressionar o valor da libra, que chegou a atingiu mínimos de três meses esta segunda-feira.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trump antecipa fim da UE que, “basicamente”, é a Alemanha

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião