APEMIP antecipa crescimento de 30% no mercado imobiliário em 2017

  • Lusa
  • 21 Janeiro 2017

À boleia de um bom ano no Turismo, Luís Lima, presidente da APEMIP, antecipa um crescimento de 30% do mercado imobiliário. Mas deixa o recado ao Governo: é preciso agilizar os vistos 'gold'.

O presidente da Associação dos Profissionais e Empresas de Mediação Imobiliária de Portugal (APEMIP), Luís Lima, antecipa um crescimento de 30% no mercado imobiliário para 2017, à boleia de um bom ano no turismo. Mas deixa o alerta ao Governo ainda assim é preciso agilizar os processos de vistos ‘gold’.

“Prevejo [um crescimento de] 30%. Se o Estado não fizer asneiras, se deixar o mercado funcionar, vamos crescer, porque Portugal está com um potencial enorme. Vai ser um bom ano para o turismo, pelo que vai ser bom para nós”, indicou Luís Lima, em entrevista à Lusa, recordando que o turista em Portugal “gosta de se fidelizar e adquire imobiliário”.

Prevejo [um crescimento de] 30%. Se o Estado não fizer asneiras, se deixar o mercado funcionar, vamos crescer, porque Portugal está com um potencial enorme.

Luís Lima

Presidente da APEMIP

O imobiliário ajuda o turismo porque mantém o turista mais tempo”, defendeu.

Com o setor em alta, o responsável admitiu a abertura de novas imobiliárias e espera que o setor cresça sobretudo com empresas licenciadas.

“À medida que há recuperação económica, um grupo de empresas pequeninas cresce muito facilmente, quando há uma crise económica também desaparecem muito facilmente”, disse Luís Lima, antecipando que algumas ruas no Algarve se voltem a encher de mediadores.

Acerca do alojamento local, Luís Lima considera que ajudou à reabilitação das cidades e, se houve casas a migrarem para os arrendamentos de curta duração, é porque “não houve trabalho de casa na criação de incentivos fiscais para tornar o arrendamento tradicional mais compensador”.

Governo tem que agilizar os vistos ‘gold’

O tema dos vistos ‘gold’ foi também focado. Luís Lima diz que o Governo tem que agilizar os processos de vistos ‘gold’ sob o risco do país ficar sem investimento, sobretudo chinês.

“Espero que no espaço de um mês o Governo português tome uma decisão sobre esta questão, porque precisamos deste investimento como de pão para a boca até porque o investimento chinês atinge proporções mais elevadas”, afirmou o dirigente da APEMIP.

Espero que no espaço de um mês o Governo português tome uma decisão sobre esta questão, porque precisamos deste investimento como de pão para a boca até porque o investimento chinês atinge proporções mais elevadas

Luís Lima

Presidente da APEMIP


O “Governo tem de exigir responsabilidades” sobre processos que não avançam, defendeu o dirigente em entrevista à agência Lusa, referindo que desde o “célebre escândalo, muita gente foge” por recear más interpretações.

O processo dos vistos ‘gold’, cujo julgamento, em que é arguido o ex-ministro da Administração Interna Miguel Macedo, arranca a 13 de fevereiro, depois de ter estado inicialmente marcado para 10 de janeiro.

Esta investigação está relacionada com a aquisição de vistos por cidadãos estrangeiros interessados em investir e residir em Portugal, estando em causa indícios de corrupção ativa e passiva, recebimento indevido de vantagem, prevaricação, peculato de uso, abuso de poder e tráfico de influência.

Já não chegam só palavras, o Governo tem de agir”, disse o líder da APEMIP, resumindo ser “essencial e imprescindível recuperar os investidores chineses”.

Luís Lima recordou que em setembro chamou atenção para a questão da diminuição das autorizações de residência para a atividade de investimento (ARI) a cidadãos chineses e considerou que a situação “não foi mais terrível”, porque foi atenuada por investimento brasileiro e francês.

Os maiores investidores mundiais em imobiliário são chineses”, notou Luís Lima, que admite deixar a China de fora das suas deslocações profissionais por achar que “pode não ter condições para vender o país”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

APEMIP antecipa crescimento de 30% no mercado imobiliário em 2017

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião