BCP quer atrair empresários portugueses para aumento de capital

  • ECO
  • 21 Janeiro 2017

O BCP já iniciou a ronda para o aumento de capital. Banco de Nuno Amado quer atrair capital português. Américo Amorim será um dos sondados, diz o Público.

O Banco Comercial Português (BCP) quer aumentar a base de investidores portugueses. A administração liderada por Nuno Amado tem andado ativamente a fazer contactos com empresários para subscreverem ações durante o aumento de capital do banco que arrancou esta quinta-feira, escreve o jornal Público na edição deste sábado. O ECO sabe que Nuno Amado tem estado nos últimos dias em ‘road show’ fora de Portugal, junto de investidores, devendo chegar a Lisboa na próxima segunda-feira.

Fontes contactadas pelo ECO referem que o que existe é “a preocupação de explicar as condições da operação de aumento de capital e a importância de manter um banco do setor privado com base em Portugal”.

Ainda segundo aquele diário um dos empresários contactados será Américo Amorim, que de resto foi um dos fundadores do segundo maior banco nacional.

A operação de reforço do capital do BCP de 1,3 mil milhões de euros, termina a 2 de fevereiro. Esta operação para além de permitir o fim do pagamento ao Tesouro da totalidade do financiamento que chegou a 3 mil milhões de euros, em 2012, vai permitir que os chineses da Fosun reforcem a sua presença dos atuais 16,7% para até 30%.

Ainda segundo o Público, no final da operação, a petrolífera estatal angolana, Sonangol, que detém 14,9% do BCP irá manter-se como acionista de referência da instituição presidida por Nuno Amado. De referir que a Sonangol, tal como aconteceu com a Fosun, foi autorizada a subir a sua presença até 30% do capital, mas para já não se prevê que dê esse passo.

(notícia atualizada com mais informação às 12h48)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP quer atrair empresários portugueses para aumento de capital

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião