Davos: os robôs estão a roubar emprego. E agora?

  • Leonor Rodrigues
  • 21 Janeiro 2017

Se as novas tecnologias têm melhorado a produtividade das empresas, também é verdade - e importante refletir - que os avanços tecnológicos têm um peso importante no aumento do desemprego.

A globalização e a liberalização dos mercados têm sido frequentemente apontados como os culpados pelo aumento do desemprego nos últimos ano mas, em Davos, durante o Fórum Económico Internacional, os CEO’s não pensam o mesmo. Dizem que existe um responsável ainda maior e que tem sido esquecido: as máquinas.

Se é verdade que o avanço da tecnologia tem melhorado a produtividade e as receitas das empresas, também é verdade que existem danos colaterais e que precisam de ser levados em conta. Desde os taxistas aos profissionais da saúde, são poucas as profissões que já não têm em conta os avanços tecnológicos. Nem mesmo a indústria têxtil: a Adidas, por exemplo, pretende imprimir alguns dos seus produtos de calçado em 3D, de acordo com a Reuters.

“Os empregos vão ser extintos, vão evoluir e esta revolução vai ser eterna e vai afetar todos nós”, disse Meg Whitman, da HP, durante o evento.

“A tecnologia é o grande problema e nós não reconhecemos isso”, afirmou Mark Weinberger, da EY. Também Satya Nadella (Microsoft) concordou e disse à Reuters que “estamos agora a chegar a uma altura em que podemos ser forçados a procurar profissões alternativas durante a nossa vida”.

Na última década, foram mais os postos de trabalho extintos por causa da tecnologia do que qualquer outro fator. No entanto, para já, a maioria das tecnologias de ponta é mais cara do que a contratação de mão-de-obra com pouca qualificação. Isso é algo que vai mudar à medida que os custos diminuírem.

Em Davos, os diretores executivos foram unânimes quanto à necessidade de os governos, empresas e instituições de ensino desenvolverem mão-de-obra mais qualificada para fazer face e complementar os avanços tecnológicos.

O CEO da Manpowert, Jonas Prising, refere que “a ideia de que vamos banir a automação como parte de uma evolução na indústria de manufatura não é, realmente, a discussão”. De acordo com um estudo da Universidade de Oxford, em 2013 metade dos empregos nos EUA estavam em risco. Por outro lado, em 2015, outro estudo da Forrester Research previa apenas uma perda de 7%, afirmando que alguns empregos seriam substituídos por outros. Para 2019, a Forrester prevê que um quarto das tarefas de trabalho vão ser executadas por robôs.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Davos: os robôs estão a roubar emprego. E agora?

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião