TSU: PSD devia arranjar uma alternativa, diz Van Zeller

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 22 Janeiro 2017

O antigo presidente da CIP não gosta da posição do PSD e entende que o partido devia agora dar um sinal de que está preocupado com as empresas.

Francisco Van Zeller entende que o PSD devia propor uma alternativa às empresas, agora que assumiu que vai chumbar a redução das contribuições patronais ligada ao salário mínimo.

“O PSD devia propor uma alternativa imediatamente, e há muitas”, afirmou o antigo presidente da CIP — Confederação Empresarial de Portugal, apontando para medidas na área dos impostos ou outras “facilidades que podem ser feitas”. Aliás, o próprio acordo tripartido não abrange apenas a baixa da TSU que os partidos mais à esquerda e o PSD já avisaram que vão chumbar no Parlamento, recorda.

O partido liderado por Passos Coelho devia então falar com os parceiros sociais, “ver o que têm a pedir que seja razoável” e depois “fazer força no Parlamento” para que a medida passe — isto dá um sinal de que o PSD “está preocupado”, indica.

Van Zeller esteve à frente da CIP — na altura Confederação da Indústria Portuguesa — entre 2002 e o início de 2010. A confederação é hoje liderada por António Saraiva, um dos parceiros patronais a assinar o acordo tripartido que admite o aumento do salário mínimo de 530 para 557 euros, já em vigor, e a redução, durante um ano, das contribuições em 1,25 pontos para empresas que suportam esta subida.

O antigo presidente da CIP não se lembra de um acordo de concertação social que tenha sido chumbado no Parlamento mas recorda que, naquele tempo, os parceiros sociais falavam com os partidos para tentar perceber se as medidas poderiam ter futuro. E isso devia ter acontecido agora também, sublinha, apontando para um “erro de procedimento”.

O empresário salienta que o maior partido do Parlamento foi “desconsiderado” mas admite: “não gosto da posição do PSD”. Não só porque se junta aos partidos mais à esquerda mas também porque, no passado, os social-democratas já propuseram descidas da TSU. E, além disto, porque a medida agora legislada pelo atual Governo é importante para as empresas, sobretudo para as de menor dimensão, defende.

Van Zeller diz mesmo que a decisão de chumbar uma medida decidida entre parceiros sociais é “péssima para a concertação”, que era “ultra-respeitada”. “Quando chegava um acordo ao Parlamento, só o PCP votava contra”, afirma.

"Havia um respeito absoluto pelos acordos de concertação.”

Francisco Van Zeller

Ex-presidente da CIP

Estarão os futuros acordos de concertação social ameaçados? Van Zeller acredita que sim: “não sei como se vai partir para novos acordos de concertação social com medo da Assembleia da República”.

O ex-líder da CIP entende que “a concertação social levou um grande rombo”, antevendo que “o PS, quando for oposição, vá fazer o mesmo” que o PSD fez agora.

Este precedente “reduz a confiança com qualquer Governo”, a não ser que se trate de um acordo em torno de “uma coisa óbvia”, exemplificou.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

TSU: PSD devia arranjar uma alternativa, diz Van Zeller

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião