Autoridade da Concorrência dá luz verde a quatro negócios distintos

  • Leonor Rodrigues e Lusa
  • 23 Janeiro 2017

Um dos negócios foi a compra das autoestradas da Beira Alta e de Trás-os-Montes ao grupo espanhol GVI. Concorrência aprovou ainda negócios da saúde, restauração e retalho.

A Autoridade da Concorrência (AdC) aprovou hoje quatro negócios, nas áreas dos transportes, saúde, restauração e retalho. As concessões das autoestradas na Beira Alta e em Trás-os-Montes foram compradas pelo grupo espanhol GVI, a Stemlab, dona da Crioestaminal, comprou ativos da empresa de biotecnologia clínica Cytothera. Os restaurantes Go Natural passam agora a fazer parte do universo Sonae e o The Style Outlets, em Vila do Conde, foi comprado pela luxemburguesa Via Holco (Lux), a empresa que também é dona do Freeport.

O espanhol GVI (Global Vía Infrastructuras) já detinha participações nos grupos Scutvias e Transmontana, passando agora a ter o controlo exclusivo das duas empresas que detêm as autoestradas da Beira Alta e de Trás-os-Montes.

“Em 20 de janeiro de 2017, o Conselho da Autoridade da Concorrência (…) delibera adotar uma decisão de não oposição à presente operação de concentração (…) uma vez que a mesma não é suscetível de criar entraves significativos à concorrência efetiva nos mercados relevantes identificados”, informou a AdC.

Num comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), em 23 de dezembro, a SDC Concessões anunciava a intenção de vender as participações que detinha nas autoestradas da Beira Interior e na Autoestrada Transmontana por 126,5 milhões de euros, considerando tratar-se de mais uma fase do processo de reestruturação de responsabilidades financeiras do grupo.

A AdC afirmou também que a compra de ativos da Cytothera pela Stemlab não é suscetível de criar entraves significativos” à concorrência efetiva no mercado”. A compra incidiu nos equipamentos utilizados no processamento, armazenamento, controlo de qualidade e rastreabilidade de amostras, marca, domínio e contratos para serviços de criopreservação do sangue e tecido do cordão umbilical.

A luz verde foi dada também à compra dos restaurantes Go Natural, que fazem parte da Go Well, pela Sonae. A Go Well detém 22 restaurantes especializados e localizados em centros comerciais e registou, em 2015, um volume de negócios de 6,4 milhões de euros.

A Sonae afirmou em dezembro, altura em que anunciou o acordo de aquisição, que o negócio iria “permitir à unidade de retalho alimentar da Sonae reforçar a sua aposta na oferta de soluções adaptadas ao estilo de vida saudável e à Go Natural alavancar novas oportunidades de crescimento”.

Quanto à compra do Vila do Conde The Style Outlet, a Via Holco vai ficar com as sociedades IRUS Vila do Conde, IRUS Vila do Conde II e IRUS Vila do Conde III, que integram este espaço comercial. A luxemburguesa é controlada pela Via LP, uma Limited Partnership constituída ao abrigo da lei de Jersey que, em Portugal, detém e explora um imóvel que integra o Freeport Fashion Outlet, em Alcochete.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Autoridade da Concorrência dá luz verde a quatro negócios distintos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião