ADSE pode aplicar excedentes em dívida pública

  • ECO
  • 24 Janeiro 2017

A ADSE tem excedentes de 430 milhões. Esse dinheiro vai ficar parqueado no IGCP, estando em cima da mesa o investimento em instrumentos de dívida pública específicos para as empresas públicas.

A ADSE tem mais de 430 milhões de euros em excedentes, fruto de lucros acumulados nos últimos três anos. Com a passagem da ADSE de direção-geral para instituto público, este montante tem obrigatoriamente de ficar parqueado na Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública (IGCP), podendo ser investido em títulos de dívida do Estado.

O Ministério da Saúde diz que “não existe qualquer decisão da aplicação, pela ADSE, dos valores acima referidos em dívida pública”, numa resposta a uma questão colocada pelo grupo parlamentar do CDS. Mas salienta que com a alteração de estatuto, a ADSE passa a estar “sujeita ao regime de tesouraria do Estado, o que obriga a que tenha as suas contas bancárias sedeadas no IGCP”.

Neste sentido, acrescenta o Ministério, não fica afastado “que uma eventual aplicação dos seus excedentes de tesouraria seja realizada em produtos disponibilizados por esta instituição“. Ou seja, dívida portuguesa, nomeadamente CEDIC e CEDIM, sendo que a indicação dos instrumentos em que o montante deverá ser investido foi dada ao Jornal de Negócios pelo diretor-geral da ADSE, Carlos Liberato Baptista.

Os CEDIC (Certificados Especiais de Dívida Pública) são títulos de dívida pública com maturidade até um ano, já os CEDIM têm prazos que chegam a 18 meses, sendo ambos os produtos de subscrição exclusiva por parte de investidores do setor público.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

ADSE pode aplicar excedentes em dívida pública

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião