May quer oferecer regulação menos rígida a empresas europeias

  • Ana Luísa Alves
  • 25 Janeiro 2017

Para May, Londres poderá tornar-se um paraíso fiscal. Mas, para Dijsselbloem, presidente do Eurogrupo, este é um "enorme erro" e pode custar aos ingleses um acordo justo com a UE.

Os bancos londrinos arriscam perder os privilégios e os acessos para negociar com a União Europeia, a não ser que o governo londrino concorde em cumprir a regulação financeira decidida em Bruxelas, mesmo que isto só aconteça depois de o Reino Unido sair definidamente do bloco.

“É impensável que a União Europeia permita às instituições financeiras com base no Reino Unido o acesso ao mercado europeu para negociar sem standards dinâmicos de futuro sustentáveis para a estrutura europeia”, referiu o presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, num comunicado enviado esta terça-feira. “Ao mesmo tempo percebo que, dada a promessa de soberania, isto vai ser uma verdade difícil de aceitar”, acrescentou o presidente.

A primeira-ministra britânica, Theresa May, assinalou que o Reino Unido vai tentar atrair as empresas e instituições financeiras com uma regulação menos rígida e com impostos mais baixos às empresas se a União Europeia oferecer um acordo de separação que não seja aceite pelo governo britânico.

De Bruxelas também já houve resposta: o passo de May pode dificultar a possibilidade de se chegar a um acordo comercial, e o Reino Unido pode acabar por ter de concordar com uma legislação na qual não vai ter palavra.

Vai ser necessário um período de transição na relação entre os dois lados depois do divórcio da União Europeia para evitar um processo disruptivo que danifique ambas as partes envolvidas, segundo avançou Dijsselbloem. O presidente realçou ainda que dois dos principais tópicos em discussão vão ser as taxas e a relação entre a regulação financeira para os bancos da City, em Londres, e para as demais instituições financeiras no Velho Continente.

“Temos ouvido algumas ameaças sobre a criação de um paraíso fiscal em Londres”, referiu o presidente. “Isso seria um enorme erro, e ficaria longe do acordo comercial justo a assinar para ambas as partes”, sublinhou Jeroen Dijsselbloem.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May quer oferecer regulação menos rígida a empresas europeias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião