Revista de imprensa internacional

  • Ana Luísa Alves
  • 25 Janeiro 2017

Donald Trump continua a marcar a atualidade desta quarta-feira. Está à frente dos EUA há quatro dias e tem tomado decisões relativas à energia a ao comércio. Hoje é a vez da segurança nacional.

Os planos para o muro no México e a aclamada “segurança nacional” de que Donald Trump fala fazem manchete um pouco por todos os jornais do mundo. Mas não só. Esta quarta-feira os olhares estão postos também nas empresas que apresentam contas, no Velho Continente, como é o caso do Banco Santanter, cujos resultados foram os melhores desde 2010. Ainda na Europa, a decisão dos juízes britânicos de atribuir ao Parlamento inglês a decisão sobre a saída do Reino Unido da União Europeia também é assunto em vários jornais.

Bloomberg

Trump desvenda planos para o muro no México

Donald Trump prometeu que esta quarta-feira se vai focar na segurança nacional dos EUA. Os planos do mais recente eleito Presidente dos EUA incluem a construção de um muro na fronteira com o México e a limitação do número de refugiados que entra no país. Com isto, Trump vai ao encontro daquilo que já tinha prometido durante a campanha na corrida à Casa Branca. Os planos foram avançados pelo próprio através da conta do Twitter em que referiu que está “um grande dia planeado para esta quarta-feira”. (Artigo em inglês / Acesso gratuito)

Expansión

Banco Santander fez 6,2 mil milhões de euros em 2016

O banco Santander revelou esta quarta-feira as contas relativas ao ano passado. Em 2016 registou o melhor resultado desde 2010, e uma melhoria de 4% face a 2015. O banco fez um total de 6,2 mil milhões de euros. -Se a este resultado fosse descontado o efeito cambial, a subida seria de 15%. “Antecipamos um ambiente volátil, mas, em geral, melhor que em 2016 nos nossos mercados principais”, referiu Ana Botín, presidente do Banco Santander. (Acesso gratuito / Artigo em espanhol)

The Guardian

Citigroup em conversações com vários países

O centro financeiro de Londres está em conversações com outros países para se mudar depois de o Reino Unido sair da União Europeia. O US Bank, que emprega nove mil pessoas no Reino Unido já falou com a Irlanda Itália, França, Espanha, Alemanha e ainda com a Holanda para relocalizar operações do banco. James Cowles, que gere as operações do Citigroup na Europa, Meio Oriente e África, disse que esta é uma decisão que pode vir a ser tomada no primeiro semestre do ano. (Acesso gratuito / Artigo em inglês)

The Times

Juízes britânicos tomam decisão história

O Supremo Tribunal britânico rejeitou o recurso interposto pelo Governo de Theresa May, que vai ter de ter a aprovação no Parlamento para acionar o Artigo 50. Numa decisão histórica, o Supremo Tribunal britânico disse que apenas o Parlamento tinha voto na saída do Reino Unido da União Europeia, e que esta era uma decisão de “importante significado” para o país. (Acesso pago / Artigo em inglês)

Deutsche Welle

Panamá suspende a investigação dos Panama Papers

O Panamá suspendeu a investigação dos Panama Papers, escândalo que envolve o país como um paraíso fiscal por parte de grandes líderes e empresários a nível mundial, e que foi revelado em 2016. O procurador-geral do Panamá, Kenia Porcell, referiu que por motivos constitucionais era necessário suspender a investigação, e acrescentou que agora cabia ao Supremo Tribunal decidir o momento certo para voltar à investigação. (Artigo em inglês / Acesso gratuito)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião