BCP: Ganhar no aumento de capital sem risco? É possível

Sempre que há um aumento de capital, há oportunidades de arbitragem. Com dois ativos correlacionados em bolsa, quaisquer diferenças de preço podem permitir ganhos (quase) sem risco.

O Banco Comercial Português (BCP) tem em marcha mais um aumento de capital. Tem feito vários nos últimos anos, sendo este no valor de 1.300 milhões de euros. E sempre que há uma operação destas, há oportunidade para ganhar com as ineficiências dos mercados financeiros. Como? Com estratégias de arbitragem.

Há a arbitragem nos relvados, sempre envolta em polémica, mas também há nos mercados. O que é? É o aproveitamento que os investidores podem fazer das diferenças de preços entre dois ativos correlacionados, neste caso as ações do BCP e os direitos do aumento de capital. Estão correlacionados porque no final o que está em causa é capital do banco liderado por Nuno Amado.

Esta operação consiste na aquisição de um ativo e a simultânea alienação do seu subjacente, num momento de desequilíbrio entre preços. Em todos os aumentos de capital acontecem. E neste não é exceção. Com o BCP a inundar o mercado com 944 milhões de direitos que permitirão comprar quase 15 mil milhões de novas ações, é grande a margem para essas diferenças de preço.

Logo desde o dia de estreia dos direitos em bolsa verificou-se diferenças de preço entre as ações e os direitos que vão permitir comprar as novas ações do aumento de capital com o qual o banco pretende reembolsar a ajuda do Estado e reforçar os rácios para cima do exigido pelo BCE. Em vários momentos, os direitos permitiram ganhos através da arbitragem.

Direitos “baratos” têm sido uma constante. Na estreia, estes títulos chegaram a permitir aos investidores um ganho de 10%, incentivando os investidores a comprar estes títulos ao mesmo tempo que vendem a descoberto o número correspondente de ações do banco. No caso de ações “baratas”, a ideia é fazer o contrário: comprar ações, vendendo direitos correspondentes ao mesmo número de ações.

Direitos e ações cada vez mais alinhados

bcp-arbitragem
Se existia um diferencial de preços abissal, de 10%, na estreia dos direitos, nos últimos dias o mercado convergiu para uma situação de quase equilíbrio. Os títulos do BCP encerraram a última sessão a cotar nos 15 cêntimos, já os direitos fecharam a 78 cêntimos. Cada direito dá para comprar 15 novas ações a um preço de 9,4 cêntimos cada um. Assim, o custo de uma nova ação está em 14,73 cêntimos, ou seja, apenas 2,7% mais barato do que as ações já existentes no mercado.

Depois é preciso aguentar essa posição. Mas não muito tempo. Estes desequilíbrios entre o preço dos direitos e das ações são resultado de ineficiências do mercado, mas essas tendem a ser passageiras. O mercado acabará por reconhecer que sendo o objeto o mesmo, o valor dos diferentes ativos tem de ser o mesmo, o que acabará por resultar num regresso das cotações a uma situação de equilíbrio.

Confuso? Veja um exemplo

direitosnovo

 

No primeiro momento, com os direitos do aumento de capital do BCP a 61 cêntimos e as ações a 15,6 cêntimos, o custo implícito das novas ações do banco estava em 13,47 cêntimos. Ou seja, há um desequilíbrio, com os direitos “baratos”. Nesse momento, considerando uma estratégia com 1.005 ações, o investidor compra 67 direitos (que permitem comprar as 1.005 ações) por 40,87 euros. Ao mesmo tempo, vende 1.005 ações do banco a descoberto, encaixando 156,78 euros.

Com o regresso a uma situação de equilíbrio, o investidor desfaz a posição. Vende os direitos adquiridos anteriormente. Recebe 67 euros. Compra ao mesmo tempo as ações do BCP por um valor de 161,47 euros — valores com base em cotações meramente exemplificativas, mas havendo equilíbrio entre direitos e ações. Ganha nos direitos, mas perde nas ações porque as vai comprar mais caras (4,69 euros, neste exemplo que não tem em conta, contudo, nem comissões nem os custos com o empréstimo de títulos). As ações compradas serão entregues ao banco com o qual o investidor realizou inicialmente a operação de venda a descoberto. O saldo final é positivo em 21,44 euros.

Risco? Há

O ganho com esta operação está no diferencial entre o momento de desequilíbrio e o regresso ao equilíbrio, isto numa estratégia que, em teoria, não tem qualquer risco para os investidores. Só em teoria, porque na prática existem. Não só os custos associados ao empréstimo de ações como as comissões de corretagem inerentes a estas operações.

Mas há mais um risco: o preço não regressar ao equilíbrio. Não é normal que tal não se verifique, mas há sempre exceções. Já as houve no passado, sendo que em operações de aumento de capital em que o montante a emitir é elevado, pode acontecer que os preços dos dois ativos não se encontrem, o que coloca em risco a arbitragem.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

BCP: Ganhar no aumento de capital sem risco? É possível

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião