Mineira australiana quer investir 370 milhões em Portugal

  • ECO
  • 26 Janeiro 2017

A Dakota Minerals espera criar 200 postos de emprego e investir até 370 milhões na zona de Montalegre, distrito de Vila Real, onde vai combinar a extração e o processamento de lítio.

A empresa mineira australiana Dakota Minerals conta investir até 370 milhões de euros em Portugal para extrair e processar compostos de lítio perto de Montalegre, escreve esta quinta-feira o Jornal de Negócios. Segundo disse ao jornal o CEO da empresa, David Frances, o prazo é 2019 e a ideia é concentrar todas as partes do processo no distrito de Vila Real.

O lítio para fazer baterias será processado no local com recurso à energia hídrica, e camiões elétricos serão usados para fazer chegar o produto às fábricas europeias, explicou David Frances, reduzindo assim a pegada de carbono deste processo — um interesse da empresa australiana que quer contrariar a regra da Austrália, onde o lítio é enviado para a China para ser processado. A concentração da extração e processamento num só local contribui muito para reduzir as emissões do processo.

O investimento pode ir dos 200 aos 400 milhões de dólares (185 a 370 milhões de euros), e espera-se que empregue cerca de 200 pessoas. Para acelerar os processos de licenciamento e de instalação da fábrica, que pretende ter completa até 2019, David Frances vai mudar-se para Portugal, onde a Dakota Minerals tem focado a sua atividade. “Usar produtos de Portugal que ajudam o resto da Europa a tornar-se sustentável é algo de que Portugal deve ficar orgulhoso, além de criar empregos e riqueza”, disse ao Negócios.

O projeto encontra-se em fase de prospeção, esperando que as análises mostrem que Cepeda, uma das três concessões que agora detém, poderá ser explorada durante dez anos.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mineira australiana quer investir 370 milhões em Portugal

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião