Precariedade: relatório e medidas chegam na próxima semana

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 27 Janeiro 2017

PCP levou ao debate quinzenal questões em torno da precariedade e dos atrasos nos CTT, que põem em causa o pagamento atempado de pensões.

O primeiro-ministro garantiu esta sexta-feira que o relatório e as medidas destinadas a combater a precariedade no Estado serão tornados públicos na próxima semana.

“Nós, na próxima semana, vamos ter concluído e será público o relatório que foi feito, mas também o conjunto de medidas” para “responder a este flagelo”, revelou António Costa no debate quinzenal, respondendo a uma questão levantada por Jerónimo de Sousa, do PCP.

“O Estado tem de ser exemplar”, indicou ainda primeiro-ministro, salientando que já foram dados alguns passos nesse sentido no que diz respeito a medidas ativas de emprego e ao emprego científico.

Também na área da docência, há já a garantia “de que haverá uma integração imediata de 3.000 docentes que estão em situação de precariedade” e, em setembro, serão abertos concursos “que permitirão a integração de mais 2.000 docentes”, referiu ainda António Costa.

Atrasos dos CTT: Governo espera que ANACOM “aja em conformidade”

O PCP também confrontou o Governo com atrasos nos CTT, que põem em causa o recebimento atempado de pensões através de vale postal. O primeiro-ministro diz que ainda há 21% de pensionistas que recebem a suas reformas por esta via. “Qualquer atraso é absolutamente inaceitável”, salientou, frisando, porém, que a responsabilidade não é da Segurança Social.

António Costa afirmou que o Ministério do Trabalho já se reuniu com os CTT e “os CTT comprometeram-se a assumir medidas”. “E tenho esperança que a ANACOM, que já confirmou a existência destes atrasos e destas reclamações, aja em conformidade” para “que de uma vez por todas isto não volte a acontecer”, rematou.

Comentários ({{ total }})

Precariedade: relatório e medidas chegam na próxima semana

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião