20% do trabalho em Portugal é precário

  • Leonor Rodrigues
  • 23 Novembro 2016

Os portugueses, em conjunto com os polacos e espanhóis, são os mais afetados com a precariedade laboral na Europa, segundo um relatório da Organização Internacional do Trabalho.

Portugal, Espanha e Polónia são os países da Europa com maior precariedade laboral. A conclusão é do relatório da Organização Internacional do Trabalho (OIT), “Emprego atípico no mundo”, que alerta para este aumento nos países industrializados.

As formas de emprego atípicas, como o trabalho temporário ou a tempo parcial estão a aumentar na Europa e Portugal é um dos campeões nesse aspeto, nomeadamente em setores de atividade que, tradicionalmente, ofereciam condições de trabalho estáveis aos seus trabalhadores. Algumas das razões apontadas pela OIT para este aumento é o crescimento do setor dos serviços face ao da indústria e agricultura, os avanços tecnológicos e as alterações das estratégias organizacionais das empresas. Neste último aspeto, o OIT refere que a crise económica da última década, que afetou países como Portugal, também explica o aumento da precariedade, com as empresas a adotarem medidas de redução dos custos

A média de trabalho precário nos países europeus é de 12,3%. No entanto, países como Portugal, Espanha, Polónia, Eslovénia e Holanda registam uma taxa de mais de 20%. Os jovens são os mais afetados devido ao facto de não conseguirem encontrar um emprego permanente.

Entre o ano 2000 e 2015, mais de 75% dos contratos de trabalho foram considerados precários pela OIT. Com a mesma taxa encontram-se também Espanha, Eslovénia e Grécia. O trabalho precário tem várias consequências, tanto para as empresas, como para os trabalhadores e para a própria economia social, traduzindo-se numa diminuição da inovação, desaceleração da produtividade, risco no que toca à sustentabilidade dos sistemas de Segurança Social, dificuldades em aceder a créditos e adiamento na decisão de constituir família.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

20% do trabalho em Portugal é precário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião