Dívida de Portugal está a ser um dos piores negócios do ano

Portugal realizou uma das 177 emissões de dívida através de sindicato bancário do ano. A operação, que contou com a taxa mais elevada desde a troika, está a ser um mau negócio para os investidores.

Portugal abriu o programa de financiamento deste ano com uma emissão de dívida através de sindicato bancário. Colocou três mil milhões de euros em títulos a dez anos que estão a revelar-se um mau negócio para quem investiu. Entre os emitentes soberanos, considerando a maturidade da operação, a dívida nacional é a que está a dar mais prejuízo fruto do agravamento das taxas nas últimas semanas para máximos de 2014.

Foi a 11 de janeiro que o IGCP avançou com a primeira emissão de dívida do ano. Tendo em conta o montante a emitir, recorreu aos bancos para colocar três mil milhões de euros pelos quais acabou por aceitar pagar uma taxa de juro de 4,227%, a mais elevada desde a troika. Os juros foram elevados, mas no mercado secundário, onde os investidores trocam os títulos entre si, subiram ainda mais.

A Bloomberg aponta para um aumento de 14,7 pontos base do spread dos títulos a dez anos entre a altura da emissão e o momento atual, destacando Portugal como o que registou o pior desempenho. Considerando emissões sindicadas a dez anos, é a pior. Supera Espanha, por exemplo, sendo que no topo da tabela está a Irlanda, mas neste caso com títulos a 30 anos (aumento de 22,5 pontos base no spread).

Juros portugueses em máximos

juros_divida-01
Fonte: Bloomberg

Este desempenho traduz a pressão crescente que tem vindo a ser sentida nos juros da dívida nacional, levando a taxa de referência a subir para níveis que não se registavam desde março de 2014. A taxa a dez anos superou os 4,2%, agravando-se em mais de seis pontos só na primeira sessão desta semana, numa altura em que todos os países do euro estão a sentir um aumento das taxas. Contudo, a evolução dos juros nacionais revela-se mais negativa do que a dos restantes países, penalizando muitos investidores.

“A transação beneficiou da participação de uma matriz granular de investidores institucionais”, referiu, à data da emissão, o instituto liderado por Cristina Casalinho. “A distribuição geográfica foi diversificada com grande participação de investidores sediados em França, Itália, Espanha e Reino Unido. Por tipo de investidor, a maior parte da procura veio de gestores de fundos, bancos/bancos privados e seguradoras/fundos de pensões”, acrescentou. São estes investidores que agora estão a perder dinheiro.

Pressão? Não há stress

Apesar da pressão no mercado, Mário Centeno mantém a calma. O ministro das Finanças diz que esta tensão é passageira. A dívida pública está a recuar, sendo que o financiamento para este ano “está sob controlo”, afirmou o responsável pela pasta das Finanças do Governo de António Costa à Bloomberg, à saída da última reunião do Eurogrupo em que Portugal voltou a ouvir recados Jeroen Dijsselbloem.

A volatilidade nos mercados sublinha a necessidade de Portugal acelerar as reformas e de fortalecer os bancos”, disse o presidente do Eurogrupo, salientando, no entanto, que é isso que “está a ser feito neste momento”. “Penso que estão a tomar as medidas adequadas”, acrescentou, citado pela Lusa.

“A questão dos juros da dívida é o problema mais sério que temos. Tenho dificuldade em perceber que responsabilidade políticos desvalorizarem esta subida. Os juros passaram a barreira dos 4%”, disse Luís Marques Mendes no seu comentário semanal na SIC. O problema não é dramático como o foi em 2011, “mas é preocupante. É diferente porque há o BCE. Se não ajudar, é um problema”, salientou.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dívida de Portugal está a ser um dos piores negócios do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião