Saúde: Portugal sobe seis posições em ranking que avalia 35 países

  • ECO
  • 30 Janeiro 2017

Depois do recuo em 2015, Portugal avança agora para o 14º lugar. A Holanda está em primeiro.

Portugal subiu seis lugares no Euro Health Consumer Index 2016. O sistema de saúde português ocupa agora a 14º posição entre 35 países, depois de ter superado países como o Reino Unido e Espanha.

O sistema de saúde português obtém 763 pontos (em mil) e ultrapassa o Reino Unido, nota o estudo da Health Consumer Powerhouse (HCP), que fala numa ascensão “muito impressionante”.

O ano de 2016 registou assim uma subida, depois de 2015 ter sido marcado por um revés no posicionamento “sobretudo devido aos pacientes serem menos positivos sobre os tempo de espera”. Naquele ano, Portugal caiu setes posições, o que a HCP define como um “pequeno recuo”, explicando que, para os países posicionados a meio da tabela, uma pequena mudança na pontuação pode resultar numa alteração “dramática” no ranking.

Em 2016, o primeiro lugar da tabela é ocupado pela Holanda, que tem estado sempre no top 3 desde 2005, quando foi criado este ranking. Segue-se a Suíça.

De acordo com o estudo, já citado pelo Público, alguns dos pontos fraco de Portugal (assinalados a vermelho na escala de cores atribuída pela HCP) dizem respeito aos tempos de espera para aceder diretamente a um especialista ou ao número de nascimentos por cesariana, por exemplo.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Saúde: Portugal sobe seis posições em ranking que avalia 35 países

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião