Administradores dispensados da CGD vão ser convidados para gerir empresas do banco

  • ECO
  • 31 Janeiro 2017

O Estado evita, assim, o pagamento de indemnizações por afastar Tiago Ravara Marques e Pedro Leitão antes do final dos seus mandatos e sem justa causa.

Tiago Ravara Marques e Pedro Leitão, dois de quatro administradores da equipa de António Domingues que não quiseram sair da administração da Caixa Geral de Depósitos (CGD), vão ser convidados a gerir empresas financeiras do banco público.

A notícia é avançada pelo Jornal de Negócios (acesso gratuito), que dá conta de que o objetivo é evitar o pagamento de indemnizações por serem dispensados sem justa causa antes do final do mandato. Caso aceitem os cargos propostos, Tiago Ravara Marques e Pedro Leitão terão de abdicar do direito de reclamarem qualquer compensação.

Em causa, acrescenta o Negócios, estão lugares nas equipas de gestão de empresa como a CGD Pensões, a Caixa Banco de Investimento (CaixaBI), a Caixa Gestão de Activos ou a Caixagest. Os mandatos destas três últimas terminaram no final do ano passado, enquanto o da CGD Pensões terminou no final de 2015.

Se os dois gestores recusarem os lugares que lhes são oferecidos, a comissão de remunerações da CGD terá de fixar as indemnizações devidas a cada um. Segundo o Código das Sociedades Comerciais, estas poderão chegar a 986,93 mil euros, antes de impostos, tendo em conta que os dois administradores têm direito à totalidade das remunerações que receberiam caso concluíssem os respetivos mandatos, que terminavam a 31 de dezembro de 2019.

As indemnizações poderão, contudo, ser inferiores àquele valor, considerando fatores como o “desempenho, indisponibilidade mediante retenção, diferimento e mecanismos de redução e de reversão”, de acordo com a política de remunerações do banco. Em caso extremo, a comissão de remunerações pode até recusar o pagamento de indemnizações.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Administradores dispensados da CGD vão ser convidados para gerir empresas do banco

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião