Carris: Maioria dos trabalhadores defende municipalização

  • Cristina Oliveira da Silva
  • 31 Janeiro 2017

Quatro estruturas sindicais emitiram um comunicado a defender a municipalização. Só a estrutura afeta à CGTP é contra a transferência da gestão da Carris para a Câmara de Lisboa.

Depois da baixa da Taxa Social Única (TSU), o PCP quer agora trazer ao Parlamento o decreto-lei que transfere a gestão da Carris para a Câmara Municipal de Lisboa. Mas não terá o apoio da maior parte das estruturas representativas dos trabalhadores.

“Podemos estar perante mais uma ‘reprise’ da TSU e isto é uma questão política que se levanta: os governos governam ou não governam?”, questiona Sérgio Monte, do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes (SITRA), afeto à UGT. É que “a municipalização da Carris foi praticamente aceite pelos trabalhadores”, acrescentou, em declarações ao ECO.

Ontem, quatro estruturas sindicais emitiram um comunicado, já citado pelo Observador, onde defendiam que “a transferência da titularidade e gestão da Carris para o Município de Lisboa é a solução que melhor serve os trabalhadores, a empresa e o serviço que esta presta”. Além do SITRA, o documento foi subscrito pela Comissão de Trabalhadores da Carris, o Sindicato Nacional dos Motoristas (SNM) e a Associação Sindical do Pessoal de Tráfego da Carris (ASPTC). Estes representam cerca de 90% dos trabalhadores, diz Sérgio Monte, dirigente do sindicato mais representativo.

Do lado da CGTP, a Federação dos Sindicatos dos Transportes e Comunicações (FECTRANS) continua contra a municipalização da Carris mas também entende que, se for esse o caminho, “não acaba o mundo” e os objetivos prosseguem “independentemente de ser no âmbito municipalizado ou público”.

Em declarações ao ECO, José Manuel Oliveira explica a sua posição: “A visão que temos do ponto de vista de organização dos transportes em termos gerais é que devem ser feitos na base de empresas públicas fortes, dentro de um mesmo Ministério e que articule toda sua atividade entre si”, independentemente “de as câmaras terem um papel mais interventivo na otimização do transporte, nomeadamente na região metropolitana de Lisboa”. Por isso, “não somos partidários da municipalização à partida”, diz.

Para o dirigente, “não deixa de ser curioso que, por exemplo, no Porto, a solução para uma empresa que abrange vários municípios tenha sido entregar a gestão aos vários municípios”. “Em Lisboa, uma empresa que serve vários municípios reverteu apenas para uma”, nota.

O PCP, que governa a Câmara do Barreiro, que é a proprietária e gestora dos transportes coletivos do Barreiro, venha opor-se em Lisboa a que seja a Câmara.

Sérgio Monte

Dirigente do Sindicato dos Trabalhadores dos Transportes

Mas para Sérgio Monte, o que “não deixa de ser curioso” é que “o PCP, que governa a Câmara do Barreiro, que é a proprietária e gestora dos transportes coletivos do Barreiro, venha opor-se em Lisboa a que seja a Câmara” a assumir esse papel. E acrescenta que a Carris serve em “99,9% a zona urbana de Lisboa”.

Falta saber se o pedido de apreciação parlamentar do PCP tem por objetivo revogar o decreto-lei do Governo ou introduzir alterações. As organizações representativas dos trabalhadores pediram uma reunião com o PCP para discutir este assunto e o encontro já está marcado para quinta-feira. Para já, Sérgio Monte não quer antecipar que decisões poderão ser tomadas pelos trabalhadores no futuro.

O dirigente salienta que o PCP “está a fazer o que é legítimo” e que não tinha de consultar antecipadamente os trabalhadores, mas defende que sejam prestados esclarecimentos.

Sérgio Monte lembra que a posição do PCP já era conhecia e o que “apanha de surpresa” é a apreciação parlamentar: “O estigma da TSU ainda está muito em cima”, diz. No dia 25 de janeiro, o Parlamento votou a revogação do decreto-lei que baixava as contribuições das empresas que pagam salário mínimo, na sequência de pedidos de apreciação parlamentar dos partidos mais à esquerda. A revogação teve votos favoráveis do Bloco de Esquerda, PCP, Verdes e PSD. Só o PS votou contra.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Carris: Maioria dos trabalhadores defende municipalização

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião