Zona Euro cresceu 0,5% no quarto trimestre

A economia da Zona Euro acelerou ligeiramente no final do ano passado mas crescimento foi tímido, o que deverá dividir ainda mais os responsáveis monetários quanto ao fim dos estímulos na região.

A economia da Zona Euro cresceu 0,5% no quarto trimestre do ano passado, um desempenho que ficou em linha com o esperado pelos analistas, segundo o Eurostat nas estimativas rápidas que publicou esta terça-feira.

No trimestre anterior, o Produto Interno Bruto (PIB) da região da moeda única havia crescido em cadeia (face ao trimestre anterior) de 0,3%, pelo que a evolução observada no final de 2016 representa uma ligeira melhoria na atividade económica. E isto, numa altura em que o Banco Central Europeu (BCE) começa a ser questionado sobre a necessidade de prolongar os estímulos monetários na região.

Em relação ao desemprego, a taxa caiu para 9,6% em dezembro do ano passado, valor que representa uma queda de 0,1 pontos percentuais em relação a novembro para o nível mais baixo desde maio de 2009, segundo revelou o Eurostat num relatório separado.

A autoridade monetária estendeu até final do ano o plano de compra de ativos no setor público como forma de dar força à inflação através de incentivos à economia. Mas com a subida dos preços a encaminhar-se para um ritmo que o BCE considera adequado para assegurar a estabilidade económica, muitos responsáveis começam a discutir se não será melhor ideia terminar mais cedo o quantitative easing.

Em termos homólogos (face ao mesmo período do ano anterior), a taxa de crescimento económico do bloco foi de 1,8%, a mesma taxa verificada no terceiro trimestre.

Esta manhã, as autoridades franceses revelaram que a economia do país cresceu 1,1% em 2016, um desempenho que ficou claramente aquém dos 1,4% esperados pelo Governo francês. Os ataques terroristas, que tiveram forte impacto no desempenho do setor do turismo, foram uma das razões pelas quais a segunda maior economia desiludiu o ano passado.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Zona Euro cresceu 0,5% no quarto trimestre

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião