Desemprego na Zona Euro cai para mínimos de 2009

No final do ano passado, havia à volta de 15,5 milhões de pessoas desempregadas na zona euro.

A taxa de desemprego na Zona Euro caiu para 9,6% em dezembro do ano passado, valor que representa uma queda de 0,1 pontos percentuais em relação a novembro do mesmo ano e de 0,9 pontos percentuais face à taxa de dezembro de 2015. Esta é a taxa de desemprego mais baixa desde maio de 2009, segundo os dados divulgados esta terça-feira pelo Eurostat.

Considerando o conjunto dos 28 países da União Europeia, o desemprego manteve-se inalterado nos 8,2%, o valor mais baixo desde fevereiro de 2009.

Ao todo, havia, no final do ano passado, pouco mais de 20 milhões de pessoas desempregadas na União Europeia, das quais 15,5 milhões apenas na zona euro. Houve assim uma redução, em cadeia, de 0,7% no número de pessoas desempregadas em ambas as regiões. Já em termos homólogos, o número de pessoas desempregadas caiu 8,3% e 7,4%, respetivamente, na União Europeia e na zona euro.

Alemanha tem a taxa mais baixa, Grécia a mais alta

A Alemanha manteve-se como o país da zona euro com a taxa de desemprego mais baixa, nos 3,9%, e com um total de 1,679 milhões de pessoas desempregadas. Seguem-se os Países Baixos e Áustria, com taxas de 5,4% e 5,7%, respetivamente.

Do lado oposto estão a Grécia, com a taxa de desemprego mais elevada, nos 23% (dados de outubro, o último mês para o qual o país disponibilizou dados), e Espanha, com 18,4%.

Portugal, com 10,2%, ficou acima da média da zona euro e foi o país com a quinta taxa de desemprego mais elevada da região. Mas foi também, a par de Espanha, o país que conseguiu a maior redução da taxa de desemprego de novembro para dezembro, em 0,3 pontos percentuais.

(Notícia atualizada pela última vez às 10h28)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Desemprego na Zona Euro cai para mínimos de 2009

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião