Sócrates: Governo decidiu ser neutro na OPA à PT

José Sócrates explicou esta sexta-feira o porquê de ir processar o Estado português. O ex-primeiro-ministro aproveitou ainda para defender-se das acusações sobre a OPA à PT.

Sócrates defendeu-se esta sexta-feira das recentes acusações relativas ao seu alegado envolvimento do seu Governo na OPA à PT. “O Governo decidiu optar por uma posição de neutralidade”, afirmou o ex-primeiro-ministro, numa conferência de imprensa, em Lisboa. Em causa estava a venda da posição que a PT detinha na operadora brasileira de telecomunicações móveis Vivo à espanhola Telefónica por 7,5 mil milhões de euros.

Recorde-se que o Estado português detinha uma golden share na PT que lhe permitia vetar qualquer decisão dos acionistas. Por isso, num primeiro momento, o Governo de José Sócrates optou por fazer uso dessa mesma golden share, caindo assim por terra a operação que estava a ser montada, e que permitiria a venda por 6,5 mil milhões de euros. O ex-primeiro-ministro explicou, na conferência de imprensa, que não quis permitir a venda porque considerava que a posição no Brasil era “estratégica” para Portugal, “decisão contrária a muitos acionistas como o BES”, acrescentou.

O Governo decidiu optar por uma posição de neutralidade.

José Sócrates

Ex-primeiro-ministro arguido na Operação Marquês

No entanto, semanas depois, o mesmo Executivo deu luz verde ao negócio e a PT acabou por vender a totalidade da posição na Vivo à Telefónica, tendo os espanhóis desembolsado mais mil milhões face à oferta inicial. Para compensar a “saída” do mercado brasileiro, a PT comprou uma posição na Oi — 23% por 3,75 mil milhões de euros — e a operadora brasileira comprou 10% da PT. Esta operadora era principalmente de telefones fixos enquanto a Vivo era uma operadora móvel.

Sócrates à defesa e ao ataque ao Ministério Público

“Se o Estado não arquiva, nem acusa, acuso eu”, afirmou Sócrates na conferência de imprensa, anunciando assim oficialmente que vai processar o Estado português. “A lei não é uma indicação, é imperativa”, disse o ex-primeiro-ministro, argumentando que manter este inquérito aberto sem acusação é uma “violação escandalosa da lei”. “Um abuso inaceitável do poder do Estado”, acrescentou, referindo que “o apagamento dos prazos é um apagamento da lei”.

Se o Estado não arquiva, nem acusa, acuso eu.

José Sócrates

Ex-primeiro-ministro arguido na Operação Marquês

Além do Ministério Público, Sócrates também tinha um alvo político: “Este processo nunca foi uma investigação, mas uma perseguição pessoal por razões políticas”, afirmou. “A origem deste processo é a motivação política”, acusou, referindo que já passaram 42 meses desde que o inquérito começou, o que é uma “escandalosa prolongação”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sócrates: Governo decidiu ser neutro na OPA à PT

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião