Santos Ferreira: “Nunca me encontrei com Sócrates antes de entrar para a CGD”

  • Rita Atalaia
  • 19 Janeiro 2017

Carlos Santos Ferreira junta-se a Teixeira dos Santos e a Vítor Martins. O ex-presidente da Caixa Geral de Depósitos nega ter sentido pressão por parte de José Sócrates.

Carlos Santos Ferreira diz nunca se ter encontrado com José Sócrates antes de ser convidado para presidir a Caixa Geral de Depósitos (CGD). O antigo presidente do banco do Estado junta-se assim a Teixeira dos Santos e a Vítor Martins, que também negaram qualquer pressão exercida pelo então primeiro-ministro. Uma pressão mencionada por Luís Campos e Cunha quando foi à comissão parlamentar de inquérito à gestão da Caixa.

"Nunca falei com o primeiro-ministro antes de ser convidado por Teixeira dos Santos”

Carlos Santos Ferreira

ex-presidente da CGD

Questionado pelo PSD se alguma vez tinha sentido pressão por parte de José Sócrates, Carlos Santos Ferreira respondeu sem hesitar: “não”. O presidente da Caixa entre 2005 e 2007, nega ter-se encontrado com o então primeiro-ministro antes de ser convidado para presidir o conselho de administração do banco. “Nunca falei com o primeiro-ministro antes de ser convidado por Teixeira dos Santos”, diz o antigo presidente da Caixa Geral de Depósitos na comissão parlamentar de inquérito à gestão do banco do Estado.

Carlos Santos Ferreira

Mas porquê o convite? “Na minha escola não se pergunta aos acionistas as razões para as suas ações.” Santos Ferreira diz que apenas questionou Teixeira dos Santos sobre o que é que era esperado do novo presidente da Caixa. “O que o ministro das Finanças disse é que queria que a Caixa incentivasse o crédito às empresas, apoiasse a internacionalização das empresas portuguesas e que isto fosse feito com eficiência“, explica aos deputados. Mas, acrescenta, “nunca senti pressão, nunca o senhor ministro das Finanças me transmitiu qualquer caso de crédito que devesse ser concedido”.

O nome de Carlos Santos Ferreira é um dos que Luís Campos e Cunha diz terem sido sugeridos por José Sócrates. Em conjunto com o de Armando Vara para o cargo de vice-presidente. Uma pressão negada por Teixeira dos Santos, Vítor Martins e pelo próprio antigo primeiro-ministro.

“Também não falei com Campos e Cunha” sobre o banco público, sublinha Santos Ferreira, dizendo ter recebido apenas um telefonema do antecessor de Teixeira dos Santos quando se encontrava no estrangeiro, durante o qual não houve “uma única referência à CGD”.

(Atualizado às 21h com mais declarações de Carlos Santos Ferreira)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Santos Ferreira: “Nunca me encontrei com Sócrates antes de entrar para a CGD”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião