Malparado: O chicote e a cenoura da OCDE

  • Rita Atalaia
  • 6 Fevereiro 2017

O crédito malparado tem de ser resolvido rapidamente em Portugal, diz a OCDE. Mas como? A instituição liderada por Ángel Gurría defende que devem ser aplicados incentivos e penalizações aos bancos.

A Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) quer testar a teoria do chicote e da cenoura na banca nacional. Isto numa altura em que o crédito malparado continua a deixar o setor frágil e a limitar o financiamento à economia. No mais recente relatório sobre Portugal, a entidade recomenda, por isso, usar “cenouras”, ou seja incentivos, que levem os bancos a criar planos que “limpem” os empréstimos em incumprimento dos balanços. E usar o “chicote”, ou penalizações, para aquelas instituições financeiras que não o façam.

“Resolver o crédito malparado rapidamente é crucial para Portugal e exige uma abordagem abrangente.” É esta a conclusão da OCDE para o setor bancário português. No final de 2015, 11,9% dos empréstimos totais estavam em incumprimento, de acordo com dados do FMI, um número que é dos mais elevados na Europa. E é por isso que a entidade defende que devem ser oferecidos mais incentivos regulatórios para atrair os bancos a resolver o crédito malparado de longo prazo.

malparado
Fonte: OCDEOCDE

Então que “cenoura” é que a OCDE quer pôr à frente dos bancos? Requisitos de capital diferentes. Ou seja, menores exigências para os bancos que implementem um plano suficientemente ambicioso e credível para reestruturarem os empréstimos em incumprimento. Isto pode, segundo a OCDE, facilitar os aumentos de capital.

Mas os bancos podem optar por não apresentar um plano ou então não cumprir o plano aprovado pelo supervisor. Neste caso, a OCDE recomenda aplicar penalizações. O peso do malparado nos balanços também pode variar entre os novos empréstimos e aqueles que já estão há muito tempo nos balanços.

Será que funciona? Em Espanha, sim

Algumas destas abordagens têm sido bem-sucedidas noutros países, como em Espanha, refere a OCDE. O país vizinho impôs uma redução progressiva do valor dos colaterais nos empréstimos após dois anos.

Os esforços dos bancos para reduzir a quantidade de malparado podem ser facilitados por um tratamento fiscal mais favorável das provisões para as perdas com os empréstimos. Atualmente, não podem ser deduzidos dos lucros até que sejam assumidas totalmente as imparidades.

Mas estas medidas têm de ser rapidamente aplicadas. A OCDE alerta que adiar uma solução para o problema do crédito malparado “é uma estratégia arriscada” que compromete a saúde dos bancos, o investimento e o crescimento económico, instando as autoridades a fazer mais.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Malparado: O chicote e a cenoura da OCDE

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião