Os “trabalhos de casa” que a OCDE passou ao Governo português

  • Margarida Peixoto
  • 6 Fevereiro 2017

Angel Gurría reconheceu os progressos, mas avisou o Governo que "ainda há muito trabalho de casa para fazer". As reformas não podem parar.

Angel Gurría, secretário-geral da OCDE, começou a apresentação do relatório sobre Portugal com um aviso: vai ser preciso “remar um pouco contra a corrente”. É que o contexto económico está particularmente difícil e, por isso, vai ser “mais difícil” e vai dar “mais trabalho” deixar a crise para trás. Apesar dos progressos conseguidos, e reconhecidos pelo líder da OCDE, Portugal ainda tem “muito trabalho de casa para fazer”, garantiu. Gurría passou três deveres ao Executivo nacional: resolver as vulnerabilidades da economia, recuperar o investimento e atacar as fracas qualificações.

Vulnerabilidades da economia

O que é que isto quer dizer? A OCDE refere-se ao crédito malparado, que assume ainda um peso muito elevado — é o quarto maior rácio da área do euro, nota Gurría. Por isso, são necessários mais incentivos regulamentares para os bancos anularem as dívidas nos seus saldos e desenvolver o mercado de cobrança de dívida.

Mais: Portugal apresenta um nível de desigualdades demasiado elevado. Se Portugal alargar a cobertura de prestação de desemprego e torná-la independente da idade, as desigualdades podem ser reduzidas, frisou Gurría, notando que a desvinculação da idade é uma recomendação que já foi feita no passado.

Outra questão importante é resolver o fosso de proteção entre os trabalhadores com contratos de trabalho sem termo e os trabalhadores com contratos a prazo. É problema, já várias vezes diagnosticado, da segmentação do mercado de trabalho.

Investimento continua abaixo de níveis pré-crise

“O stock de capital de Portugal está gasto e como consequência o potencial de crescimento da economia nacional caiu”, frisou Gurría. Resolver este problema é “urgente” notou. E aqui, é preciso melhorar as questões judiciais, reformar a regulamentação dos mercados de produto e fazer um esforço para reduzir os encargos administrativos. “A considerar como prioridade deve ser a abertura a novas fontes de investimento”, em especial para as pequenas e médias empresas, defendeu o secretário-geral da OCDE.

Neste sentido, Gurría avançou que a OCDE está a trabalhar com as autoridades nacionais para encontrar uma forma de reformar a regulação da concorrência.

Competências e qualificações

Apesar do avanço registado nos inquéritos PISA, reconhecidos e sublinhados por Angel Gurría, os cidadãos portugueses são, em média, “pouco qualificados”, defendeu Gurría. E por isso são necessárias medidas para melhorar as competências dos adultos, bem como o ensino para os jovens. O secretário-geral da OCDE frisou que é preciso “reduzir a elevada percentagem de abandono escolar, que se situa perto de 14%, a quarta mais elevada da União Europeia.” Também o problema de retenção escolar tem de ser resolvido: “mais de um terço dos alunos portugueses, repetiram pelo menos uma vez um ano escolar” durante a sua vivência letiva, frisou. A OCDE coloca ainda a tónica na necessidade de melhorar a formação profissional.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os “trabalhos de casa” que a OCDE passou ao Governo português

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião