Deutsche Boerse e LSE oferecem LCH para terem “luz verde” de Bruxelas

A fusão das suas praças financeiras está a ser revista pelos reguladores europeus. Como forma de tentarem obter "luz verde" para o negócio, admitem vender a LCH.Clearnet. A Euronext quer comprar.

A Deutsche Boerse e a London Stock Exchange já têm solução para resolver os problemas de concentração em resultado da fusão das duas praças financeiras. Apresentaram a Bruxelas um plano formal em que se propõem avançar com a venda da LCH.Clearnet. A Euronext, gestora de várias bolsas, entre elas a de Lisboa, quer comprar.

A Comissão Europeia solicitou remédios as duas gestoras para dar a sua aprovação à fusão, num negócio avaliado em 24 mil milhões de euros. A principal preocupação do regulador europeu relativamente a esta operação é o facto de com a fusão ficarem duas câmaras de compensação e liquidação de ordens sob o mesmo teto.

Para tentar superar este obstáculo, as duas gestoras “oferecem” a LCH.Clearnet (mantendo a Eurex). A Euronext, dona da gestora da bolsa de Lisboa, está a oferecer 510 milhões de euros em numerário para comprar esta câmara de compensação e liquidação. Já há alguns meses que está em negociações exclusivas para comprar esta unidade.

A LCH.Clearnet é uma instituição de crédito de direito francês que oferece serviços de câmara de compensação e contraparte central para as operações no mercado de capitais nacional, assegurando que todas as operações de mercado são cumpridas e liquidadas, evitando situações de incumprimento. Por exemplo, é esta entidade que determina a margem que exige aos investidores quando são dados títulos de dívida portuguesa como garantia para negociações que a Clearnet certifica.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Deutsche Boerse e LSE oferecem LCH para terem “luz verde” de Bruxelas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião