Criteria “foge” do BCE com venda do CaixaBank

A principal acionista do CaixaBank cumpre assim com o acordo celebrado com o BCE, passando a deter 40% do banco catalão. Com esta operação Criteria deixa de ser supervisionada pelo regulador.

A principal acionista do CaixaBank, Criteria vendeu 5,32% do banco catalão por 1.068 milhões de euros através de um processo de colocação acelerada reduzindo a sua participação de 45,3% para 40%. O objetivo da operação é reduzir a participação acionista no CaixaBank, de modo a deixar de consolidar as contas do banco avança o jornal espanhol Expansión.

Com esta operação, acordada com o Banco Central Europeu, a holding presidida por Isidro Fainé deixa de ser supervisionada pelo regulador europeu, que centrará a sua atenção apenas no CaixaBank. O acordo previa que a desconsolidação acontecesse até 31 de dezembro de 2017. Mas este não é o único ponto do acordo entre a holding detentora do CaixaBank e o supervisor europeu, uma vez que a holding fica também impedida de financiar-se através do banco, sendo que os seus administradores não poderão superar 40% do conselho de administração.

Com este processo de desconsolidação das contas do CaixaBank, a Fundação Bancária La Caixa fica também isenta de constituir um fundo de reserva para poder “acudir” a um possível resgate do banco, uma condição exigida pela nova lei de Cajas de Ahorro e Fundaciones Bancaria.

Esta é a segunda operação do género que a holding Criteria efetua depois de em dezembro passado ter alienado 1,7% do CaixaBank por 315 milhões de euros.

A operação que agora teve como bancos colocadores o Barclays, Citigroup, JP Morgan, Merril Lynch e Morgan Stanley realizou-se ao preço de 3,3572 euros por ação, um desconto de cerca de 3% face aos valores de mercado do banco liderado por Gonzalo Gortázar que está a comprar o BPI. A OPA ao banco português chega hoje ao fim.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Criteria “foge” do BCE com venda do CaixaBank

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião