CaixaBank volta a ter lucros acima de mil milhões

O banco catalão que tem a decorrer uma OPA sobre o BPI fechou 2016 com lucros de 1.047 milhões de euros. Aumentou os resultados à custa de maiores margens numa altura em que as provisões encolheram.

O CaixaBank, que tem a decorrer a oferta pública de aquisição (OPA) sobre o BPI, fechou o último ano com lucros de 1.047 milhões de euros. O banco catalão conseguiu inverter a tendência registada no final dos primeiros nove meses, encerrando 2016 com um crescimento de 28,6% nos resultados líquidos, beneficiando da melhoria na margem financeira, bem como da quebra nas provisões.

O banco liderado por Gonzalo Gortázar registava uma quebra de 2,6% nos lucros até ao final de setembro, mas acabou por conseguir apresentar um crescimento acentuado no total do ano. “Com este resultado, CaixaBank supera os 1.000 milhões de lucros por primeira vez desde o exercício referente a 2011“, refere o banco.

Para este resultado contribuiu a melhoria da margem financeira, mas também a quebra nos custos. “Num contexto de juros mínimos, a margem financeira situou-se em 4,157 milhões de euros (uma quebra homóloga de 4,5%). Desde meados de 2016 que a margem financeira mantém uma tendência de melhoria, tendo-se registado um crescimento de 3,5% no quarto trimestre”. Já os custos encolheram em 1,7%.

Determinante para este resultado líquido acima dos mil milhões por parte do banco liderado por Gonzalo Gortázar foi a quebra nas imparidades, que encolheram em 57,5%, bem como as receitas com as participadas. Só nesta rubrica, o banco registou um crescimento de 43,3% para os 828 milhões, beneficiando das receitas da Repsol.

Rácios em quebra… em plena OPA

Apesar destes resultados, os rácios de capital do CaixaBank deterioraram-se ligeiramente no final do ano passado. O CaixaBank apresentou um rácio common Equity Tier 1, numa base “fully loaded”, de 12,4%, sendo o rácio CET1 que serve de referência em termos de regulação de 13,2%. No final do terceiro trimestre, e depois do aumento de capital, o rácio numa base “fully loaded” estava em 12,6%.

O rácio encolheu em 20 pontos base. “A geração orgânica de capital no trimestre teve um contributo positivo, mas a quebra deve-se, entre outros, ao desenvolvimento de modelos internos de risco de crédito que levaram a um incremento nas deduções ao rácio de capital após as provisões”, refere a instituição.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

CaixaBank volta a ter lucros acima de mil milhões

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião