Petróleo sobe mas não o suficiente para a BP

  • Rita Atalaia
  • 7 Fevereiro 2017

Os preços do "ouro negro" subiram. Mas não o suficiente para compensar a queda das margens de refinação da BP. Os resultados da petrolífera para o quarto trimestre ficaram abaixo das estimativas.

Os preços do petróleo recuperaram. Mas esta subida não foi suficiente para compensar a queda das margens de refinação da BP. E foi por isso que a petrolífera apresentou lucros que ficaram abaixo das estimativas dos analistas. A empresa já tinha alertado que não iria conseguir que o fluxo de caixa cobrisse todas as despesas e dividendos com os níveis atuais do “ouro negro”. Isso apenas seria possível se o Brent subisse para os 60 dólares por barril.

A BP apresentou os resultados para o quarto trimestre e desiludiu os analistas. O lucro ajustado a itens extraordinários e a custos de substituição ficou nos 400 milhões de dólares. De acordo com a Bloomberg, o valor fica abaixo da média de 567,7 milhões prevista pelos analistas. Porquê? Descida das margens de refinação.

"Os investimentos em novos projetos e acordos vão resultar numa quebra de mil milhões de dólares. Isto com os preços atuais do petróleo”

Brian Gilvary

CEO da BP

A Royal Dutch Shell e a Exxon Mobil disseram que o fluxo de caixa iria cobrir todas as despesas e os dividendos com os preços atuais do petróleo. Mas o mesmo não aconteceu na BP. A petrolífera já tinha alertado que isso não iria acontecer até ao final do ano passado. Apenas seria possível se o Brent subisse para perto de 60 dólares por barril. Mas o barril de referência não passou dos 55 dólares.

Estamos a assistir a uma tendência no setor petrolífero. Os lucros da produção de petróleo e gás estão a acompanhar a subida dos preços do petróleo. Mas este aumento está a ser ofuscado pela queda das margens de refinação. “Quase todas as grandes petrolíferas falharam as estimativas para os resultados e o grande destaque para o trimestre foram as fracas margens de refinação”, diz o analista da BMO Capital Markets Brendan Warn à Bloomberg.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Petróleo sobe mas não o suficiente para a BP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião