Ataques informáticos custaram 450 mil milhões de dólares em 2016

São sorrateiros, mas custam milhares de milhões. Em 2016, os ataques informáticos pesaram 450 mil milhões de dólares na economia global, estima um relatório da seguradora Hiscox Insurance.

Mais de metade das empresas sondadas não está devidamente preparada para lidar com um ataque informático.JuralMin/Pixabay

A criminalidade informática resultou em perdas globais no valor de 450 mil milhões de dólares em 2016. A estimativa faz parte de um estudo realizado pela seguradora Hiscox Insurance, no qual participaram 3.000 empresas dos Estados Unidos, Reino Unido e Alemanha.

Segundo a CNBC, o estudo conclui ainda que 53% das empresas sondadas não estão bem preparadas para lidar com as consequências de um ataque informático. Só 30% conseguiu avaliação máxima neste parâmetro.

O presidente executivo da Hicox Insurance, Steve Langan, falou à estação televisiva e estimou que tenham sido roubados mais de dois mil milhões de dados pessoais no ano passado, tal como os registos médicos de 100 milhões de americanos. “Isto é uma epidemia de cibercrime”, apontou.

As conclusões do relatório apontam que as empresas norte-americanas são as mais bem preparadas em caso de ataque informático e, simultaneamente, as mais atacadas, com 72% a assumirem ter sido alvo de um ataque nos últimos 12 meses. Isto por um lado. Porque, por outro, das empresas dos três países analisados, as alemãs são as que mais se destacam pela negativa ao nível da preparação.

Numa altura em que os negócios aceleram a transição para o digital, e em que muitas empresas assentam na tecnologia o core da sua atividade, os planos de contingência em caso de ataque informático e brecha de segurança têm merecido cada vez mais atenção por parte dos empresários.

No entanto, a segurança informática ainda não é uma prioridade para a esmagadora maioria das firmas. Em Portugal, à semelhança de países outros da Europa, isso acontece muitas vezes por desconhecimento ou por falta de orçamento.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ataques informáticos custaram 450 mil milhões de dólares em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião