E a atração turística mais recomendada em Portugal é…

  • ECO
  • 8 Fevereiro 2017

O site Vouchercloud fez um mapa a partir das atrações mais recomendadas pelos utilizadores do site TripAdvisor. A preferida em Portugal é a Quinta da Regaleira.

Para os utilizadores da plataforma TripAdvisor, a Quinta da Regaleira, em Sintra, é o ponto turístico português de eleição. Não quer dizer que, na prática, seja o que recebe o maior número de visitas por ano. Significa, isso sim, que é o mais mencionado na lista de “Coisas Mais Interessantes” no país.

A infografia da Vouchercloud tem quatro cores diferentes, consoante o tipo de atração eleita para cada país. Ao todo, nos 197 países incluídos no mapa, foram escolhidas 76 atrações naturais (assinaladas a cor de rosa), 54 históricas (a verdes), 38 turísticas (a roxo) e 29 religiosas (a cinzento).

E há mais resultados surpreendentes além da Quinta da Regaleira. Em Inglaterra, os estúdios do Harry Potter batem o Big Ben ou o London Eye. Nos Estados Unidos, o Central Park fica à frente do Empire State Building ou do Grand Canyon. No México, foi o Museu Nacional de Antropologia o mais votado. E, na Alemanha, ganhou o maior modelo ferroviário do mundo à escala.

Mas também há referências que já se esperavam: em Espanha, o local mais aconselhado é a Basílica da Sagrada Família, em Barcelona. Em Itália, o Coliseu romano lidera a lista e, na Grécia, o Museu da Acrópole sai vencedor no ranking. Na Austrália nada venceu a baía de Sidney e, na Índia, o Taj Mahal manteve-se campeão.

E há que considerar também que, de entre tantas pontos de referência que podiam ser escolhidos, muitos dos países são representados por atrações pagas. Na Quinta da Regaleira, por exemplo, a entrada de crianças até aos 5 anos é gratuita, mas daí em diante é paga. Os bilhetes de adulto custam 6€ e os de seniores 4€. Há descontos para cartões Jovem, para famílias, guias turísticos, professores e jornalistas que apresentem comprovativos, e para todos os munícipes, aos domingos. Se escolher a opção de visita guiada, os preços duplicam em relação às livres, mas mantêm-se os gratuitos. E além das visitas, os turistas podem ainda contar com exposições, atividades lúdicas e pedagógicas, concertos, peças de teatro, ou assistir a cursos e conferências.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

E a atração turística mais recomendada em Portugal é…

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião