Like & Dislike: uma mentira em papel timbrado

A semana não correu bem ao Presidente da República. Colou-se excessivamente ao Governo. Na Caixa, nos juros e no défice.

Para um presidente da República é fácil e politicamente confortável colar-se a um Governo apoiado por um partido que está bem nas sondagens como é o caso do PS. Foi assim no passado, e será assim no futuro. Ainda todos se lembram como começou a “cooperação estratégica” entre José Sócrates e Cavaco Silva. E todos se lembram como terminou.

Tal como o próprio Marcelo já disse no passado, “o poder é passageiro, relativo e contingente”. E se o diabo der à costa, o país vai precisar de um Presidente suficientemente descolado do Governo para exorcizar o demónio político que anda a ser propalado por Pedro Passos Coelho. E para isso precisa manter uma relação franca e honesta com o PSD, porque Marcelo sabe que no dia que a geringonça falhar, terá de ser a direita a dar a mão a António Costa.

Ao longo da semana Marcelo Rebelo de Sousa entrou em euforia com os sucessos do Governo, e fez uma defesa acérrima e desnecessária quando as coisas correram mal a António Costa.

Percebe-se que os deputados do PSD tiveram ordem para não afrontar e conter as criticas a Marcelo Rebelo de Sousa; é politicamente suicida comprar uma guerra com um presidente com os níveis de popularidade nos píncaros. Mas os excessos de Marcelo hoje poderão ser a sua debilidade amanhã se tiver de lidar com uma situação de instabilidade política.

1. Redução do défice “é em larga medida obra deste Governo”

A semana começa com Marcelo Rebelo de Sousa a comentar os dados da OCDE. Disse que a redução do défice “é obra, há que reconhecer, do Governo anterior, mas é em larga medida obra deste Governo”. Não se percebe e era desnecessária a adjetivação da frase, porque passa a ideia de que a direita “fez qualquer coisinha”, mas que foi a esquerda a fazer realmente o que importa.

Se Marcelo Rebelo de Sousa se referia à redução do défice deste ano, a obra nem sequer é em “larga medida deste Governo”. É mesmo 100%. E com mérito, diga-se. Mas para que o PS conseguisse levar o défice de 3% para 2,3%, foi preciso que antes alguém o tivesse levado dos 11% para os 3%. Provavelmente a intenção do Presidente não foi má, mas a frase foi “em larga medida” infeliz.

2. “Tudo o que seja embaratecer a dívida mais longa nos mercados secundários é bom”

A meio da semana, Portugal foi ao mercado emitir dívida a cinco e a sete anos. Não correu particularmente bem. O país pagou um juro de 3,668% por dívida a sete anos, praticamente o dobro do que tinha aceite pagar há apenas oito meses.

E que comentário mereceu esta colocação de Marcelo Rebelo de Sousa? “Tudo o que seja embaratecer a dívida mais longa nos mercados secundários é bom”.

O presidente até parecia um técnico do IGCP a falar. Elogiou a estratégia de colocar mais dívida a sete anos no mercado primário, emitindo menos do que se espera, o que terá provocado um efeito de arrastamento nos juros a dez anos no mercado secundário. Esta tese de física quântica do mercado da dívida, além de ser questionável, pelos vistos foi sol de pouca dura. Hoje os juros estão a subir novamente. E não é por culpa do Governo, tal como a correção dos juros na quarta-feira não foi nenhuma façanha de António Costa.

3. “Não há nada assinado pelo primeiro-ministro ou pelo ministro das Finanças”

A semana termina mal para o Governo e sobretudo para Mário Centeno, que transformou uma sucessão de omissões, mal-entendidos, e meias-verdades numa grande trapalhada que leva a oposição a pedir a cabeça do ministro e a dizer que “mentiu”.

Nesta troca de acusações entre Governo e oposição, Marcelo Rebelo de Sousa achou novamente que tinha de sair em defesa de António Costa e de Mário Centeno.

Até encontrar alguma coisa assinada pelo ministro das Finanças que diga uma coisa diferente, para mim o ministro das Finanças tinha a mesma opinião do primeiro-ministro”, disse o Presidente da República.

Esta frase de Marcelo é infeliz e arriscada porque a pronunciou numa altura em que ainda não se conhecem todos os elementos desta história – ainda ontem o seu conselheiro Lobo Xavier avisou na SIC Notícias que ainda poderiam aparecer mais coisas.

Além disso, Marcelo toma as dores do Mário Centeno e praticamente coloca António Domingues, se calhar de uma forma muito injusta, numa espécie de degredo moral.

E quando Marcelo diz que “para mim o ministro das Finanças tinha a mesma opinião do primeiro-ministro”, está a cometer um equívoco. Tanto Mário Centeno, numa entrevista ao DN, como o gabinete do ministério das Finanças, num comunicado enviado ao Público, e as próprias palavras do seu secretário de Estado Mourinho Félix mostram que Centeno não tem (ou pelo menos não tinha) a mesma opinião de António Costa. A não ser que opinião de António Costa seja a de que os gestores da Caixa não tinham de entregar as suas declarações de rendimento e património junto do Tribunal Constitucional.

Mas para Marcelo pelos vistos a mentira ou a verdade têm de ser assinadas, timbradas e reconhecidas em notário. A semana não correu bem a Marcelo e por isso merece um “dislike”.

O Like & Dislike é um espaço de opinião.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Like & Dislike: uma mentira em papel timbrado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião