Passos: Há mais trabalhadores com salários baixos

  • Lusa
  • 12 Fevereiro 2017

Passos Coelho disse hoje que o número de trabalhadores com baixos salários cresceu com as políticas do atual Governo. Estima que no final de 2016 "quase um milhão" ganhava o salário mínimo.

O presidente do PSD disse hoje que o número de trabalhadores com baixos salários cresceu com as políticas do atual Governo, estimando que no final de 2016 “quase um milhão” de trabalhadores ganhava o salário mínimo.

Pedro Passos Coelho, que falava na Guarda, onde presidiu à sessão de encerramento do “Congresso da Coesão Territorial – O futuro dos territórios”, organizado pela Juventude Social-Democrata (JSD) disse que o país precisava de ter “um modelo de desenvolvimento assente em mais altos salários e o que é que se está a passar? De 2014 até agora cada vez são mais os trabalhadores a tempo completo que recebem o Salário Mínimo Nacional (SMN)”.

“Na primavera de 2014 eram cerca de 400 mil os trabalhadores que ganhavam o Salário Mínimo Nacional. A nossa estimativa é que no fim de 2016 seja quase um milhão o número de trabalhadores que ganham o Salário Mínimo Nacional“, afirmou. O líder dos sociais-democratas e ex-primeiro-ministro classificou como “cinismo e hipocrisia” a crítica que foi feita ao PSD no passado, ao ser acusado de fomentar “o modelo económico baseado nos baixos salários”, quando “os baixos salários cresceram com o novo Governo e com as suas novas políticas”.

“Estava em boa altura, só a partir destes dois exemplos, de esperar que o Governo fizesse um reexame destas políticas, porque os problemas estão a ser agravados. Não estamos a vencer a batalha das desigualdades, estamos a agravar essas desigualdades”, concluiu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Passos: Há mais trabalhadores com salários baixos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião