Esquerda trava divulgação dos emails de Domingues

  • Rita Atalaia
  • 14 Fevereiro 2017

PS, PCP e Bloco de Esquerda votaram contra a admissão dos documentos enviados pelo presidente demissionário da CGD. Em causa está o facto de estarem fora do âmbito da comissão de inquérito.

Era hoje que os partidos se iriam juntar numa reunião de mesa e coordenadores na comissão parlamentar de inquérito da Caixa Geral de Depósitos (CGD). Em causa estava a admissão, ou não, dos documentos enviados por António Domingues, incluindo a correspondência trocada com o Ministério das Finanças.

A decisão já foi tomada: a esquerda votou contra a divulgação destes emails. PS, PCP, e Bloco de Esquerda (BE) decidiram que esta documentação está fora do âmbito da comissão de inquérito. Foram também chumbados os requerimentos do CDS e do PSD sobre as mensagens de telemóvel trocadas entre o presidente demissionário do banco do Estado e Mário Centeno.

O ECO confirmou que os três partidos da esquerda uniram-se esta tarde. Desta vez para votarem contra a não admissão dos documentos enviados por António Domingues na comissão de inquérito à gestão do banco público, como já tinha avançado o jornal Público. Uma fonte avança ao ECO que o PS, PCP e BE consideram que os emails de António Domingues estão fora do âmbito da comissão.

Os restantes requerimentos da direita também foram chumbados. Entre estes, o do CDS que perguntava pela existência das mensagens escritas de telemóvel trocadas entre Domingues e Mário Centeno. E ainda o do PSD, que pedia ao ex-presidente da CGD as transcrições destas SMS. E pelo mesmo motivo: estão fora do âmbito da comissão.

Segundo a Lusa, o PS acusa o PSD e o CDS de atuarem de forma “doentia” contra Mário Centeno. Já os centristas falam de uma “ficção de comissão de inquérito”. João Almeida, deputado do CDS, diz que “aquilo que se passou hoje é de uma gravidade extrema”. Ao ECO, o coordenador do CDS refere que o partido terá uma “reação ponderada”, analisando todas as alternativas.

Na semana passada, o ECO divulgou os documentos que António Domingues enviou para a comissão. Desde então a polémica reacendeu. Restam dúvidas à esquerda, ainda que os discursos sejam moderados, mas especialmente à direita. E ao Presidente da República também.

(Notícia atualizada às 19h24 com declarações do PS e do CDS-PP)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Esquerda trava divulgação dos emails de Domingues

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião