Novo Banco: Governo em negociações exclusivas com a Lone Star

  • ECO
  • 17 Fevereiro 2017

O Governo vai encetar negociações exclusivas com o fundo norte-americano com vista à venda do banco de transição. Vai seguir a recomendação do regulador após o Lone Star ter melhorado a oferta.

O Lone Star está cada vez mais perto de ficar com o Novo Banco. O Governo recebeu uma recomendação do supervisor do setor financeiro, o Banco de Portugal, para avançar para uma nova fase do processo com o fundo norte-americano. Depois de melhoradas as condições da oferta, António Costa e o fundo vão agora entrar em negociações exclusivas, revela o Expresso. A informação já foi confirmada pelo ECO.

A recomendação do supervisor não é vinculativa. Contudo, é um parecer positivo para que o Executivo aceite a proposta melhorada apresentada pelo fundo norte-americano com vista à compra do banco liderado por António Ramalho. Segundo o jornal, o Governo vai dar mais um passo neste processo depois dos sinais positivos dados pelo Lone Star que abrem espaço a um entendimento. Fora de jogo fica, assim, o consórcio Apollo/CenterBridge.

Desde a proposta inicial até agora, o Lone Star reviu as condições exigidas no âmbito deste processo. Se inicialmente pretendia que fossem dadas garantias estatais para eventuais perdas no “side bank”, agora essas foram deixadas cair, algo que agrada ao Governo já que essas garantias teriam implicações no défice.

O Lone Star dá mais um passo para a compra, mas não de 100% do Novo Banco. É provável que se assista a uma compra conjunta de ações do Novo Banco por parte do Estado e do Lone Star ao Fundo de Resolução, com a consequente capitalização em proporção do capital de cada um.

A maioria do capital terá de ser sempre de Lone Star, para o Novo Banco deixar de ser um “banco de transição”, e, neste contexto, o Governo está a negociar com o Eurostat uma solução que permita que o apuramento do impacto dessa operação no défice seja feito apenas quando se efetivar uma venda posterior da posição do Estado, revelaram ao ECO várias fontes conhecedoras do processo.

(Notícia atualizada às 19h00 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Novo Banco: Governo em negociações exclusivas com a Lone Star

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião