Produção de azeitona para azeite afunda 30% em 2016

Más condições meteorológicas afetaram campanha oleícola, marcada por menos azeitona e com menor rendimento em azeite, sublinha o INE.

A produção de azeitona para azeite em Portugal terá caído 30% em 2016 devido ao mau tempo, segundo as previsões agrícolas publicadas esta sexta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística (INE). Nos países do sul da Europa, as condições adversas da meteorologia também têm afetado a produção, levando os preços do azeite a subir 70% em alguns casos.

Em Portugal, a campanha oleícola no ano passado ficou “marcada por menos azeitona e com menor rendimento em azeite”, refletindo as condições climatéricas adversas e da alternância anual de produção dos olivais tradicionais. No final, a campanha de produção de azeitona para azeite deverá ter rondado as 491 mil toneladas, menos 30% do que em 2015.

“Nos olivais, a campanha iniciou-se com uma abundante floração. Contudo, a fase do vingamento dos frutos decorreu sob condições meteorológicas muito adversas (primavera bastante chuvosa), o que resultou numa carga de frutos inferior à da campanha anterior”, indica o INE.

"Nos olivais, a campanha iniciou-se com uma abundante floração. Contudo, a fase do vingamento dos frutos decorreu sob condições meteorológicas muito adversas (primavera bastante chuvosa), o que resultou numa carga de frutos inferior à da campanha anterior.”

INE

Previsões Agrícolas

“Este aspeto, conjugado com a normal alternância produtiva da variedade Galega, predominante nos olivais tradicionais de sequeiro (que ainda representam uma componente muito significativa da estrutura do olival nacional), contribuiu para a redução da produção de azeitona para azeite”, explica ainda a autoridade nacional de estatísticas.

O mau tempo também afetou a produção de azeite em outros países do Mediterrâneo no ano passado, como Espanha, Itália, Grécia e Tunísia. No caso de Itália, o valor do preço pago ao produtor por cada quilo de azeite virgem extra aumentou 70% em janeiro de 2017 face ao ano anterior.

O INE acrescenta ainda que, apesar da modernização do setor da olivicultura na última década, o fenómeno de safra e contrassafra continua a manifestar-se de forma evidente em Portugal. Acrescenta que “as fundas (rendimento da azeitona em azeite) foram aumentando com o decorrer da apanha, mas continuam inferiores às registadas na campanha anterior. O azeite obtido é, regra geral, de boa qualidade”, destaca o INE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Produção de azeitona para azeite afunda 30% em 2016

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião