2017 começa com clima económico solarengo

Comparando com 2016, o clima económico está substancialmente melhor. Também o indicador de atividade económica está a recuperar depois de ter estado parte do ano em trajetória decrescente.

Os indicadores económicos em Portugal estão a acompanhar a evolução positiva dos indicadores da zona euro. Se em janeiro de 2016 o indicador de clima económico estava nos 0,7%, essa marca foi melhorando e um ano depois situa-se nos 1,2%. A economia portuguesa está numa fase melhor, indicam os dados do INE da Síntese Económica de Conjuntura. A acompanhar está o indicador de atividade económica que também aumentou em janeiro de 2017.

“O indicador de atividade económica, disponível até dezembro, e o de clima económico, disponível até janeiro, aumentaram”, afirma o Instituto Nacional de Estatística. O indicador de atividade económica inverteu a tendência descendente em janeiro. Esta evolução acompanha os mais recentes dados da zona euro: “Em janeiro, os indicadores de confiança dos consumidores e de sentimento económico recuperaram na AE”.

Estes dados corroboram com o crescimento da economia verificado no segundo semestre, que vai alavancar também o crescimento económico de 2017. “Em Portugal, de acordo com a estimativa rápida, o PIB registou uma variação homóloga em volume de 1,9% no 4º trimestre (1,6% no trimestre anterior), enquanto a variação em cadeia foi 0,6% (0,8% no terceiro trimestre)”, refere o INE, indicando que em dezembro “o indicador de Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) aumentou, refletindo o comportamento de todas as componentes, salientando-se a de construção, que passou de um contributo negativo para positivo“.

Além disso, a inflação continua a avançar. “O Índice de Preços no Consumidor apresentou uma variação homóloga de 1,3% em janeiro (0,9% em dezembro), observando-se uma taxa de variação de 1,4% na componente de bens (0,6% no mês anterior) e de 1,3% na de serviços (taxa idêntica à observada em novembro e dezembro)”, refere o INE.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

2017 começa com clima económico solarengo

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião