Quantas vezes deram caso CGD por fechado? Dez vezes

O primeiro-ministro e o Presidente da República têm multiplicado os comentários sobre a CGD, mas para dizer nada mais do que isto: "O assunto está encerrado". Quantas vezes o fizeram? Fomos contar.

Uma semana depois da conferência de imprensa de Mário Centeno, do comunicado de António Costa e da nota de Marcelo Rebelo de Sousa, o Governo e o Presidente da República têm feitos esforços para colocar um ponto final na polémica da CGD. Uma semana depois, Marcelo e Costa têm recusado falar do caso que envolve as declarações de património e remuneração da administração de António Domingues. Em sete dias só fizeram exceções para dizer que o assunto estava encerrado.

Marcelo Rebelo de Sousa

Sábado, 18 de fevereiro

“Esse assunto está morto. Portanto, como está morto, já não ressuscita”, afirmou à margem de um ciclo de conferências da Ordem dos Médicos, em Coimbra.

Sexta-feira, 17 de fevereiro

“Às vezes, vale a pena ser teimoso, ter a mesma ideia do começo até ao fim ou, dito por outras palavras, ser professor de Direito Constitucional”, referiu o Chefe de Estado à margem do 43º aniversário da Universidade do Minho.

Quinta-feira, 16 de fevereiro

“É muito simples. É um caso encerrado, ponto final, parágrafo. É um caso [CGD] que está encerrado. Agora, olhemos para o futuro, e no futuro temos muito para tratar em relação à recapitalização da Caixa, como já disse”, respondeu quando confrontado com as declarações de João Galamba, porta-voz do PS, no programa “Sem Moderação” do Canal Q e TSF, à margem da visita ao Centro de Apoio Tecnológico à Indústria Metalomecânica, no Porto.

“Em relação ao passado, terminou. O Presidente, o que tinha a dizer, está dito, não muda uma linha, não muda uma vírgula, não acrescenta uma vírgula, está dito. O Presidente disse aquilo que entendia que devia dizer, está dito! Como não há quem substitua o Presidente no exercício das suas funções, está dito”, completou.

“Os SMS não mudarão a minha posição sobre o ministro”, garantiu ao Expresso.

“Assunto encerrado. Ponto final, parágrafo”, afirmou ao Jornal de Negócios.

“Não me pronuncio sobre a vida interna de outros órgãos de soberania”, disse Marcelo Rebelo de Sousa à saída do V Congresso Nacional de Saúde Pública, no Porto, quando questionado sobre a demissão de Matos Correia enquanto presidente da comissão parlamentar de inquérito à CGD.

Quarta-feira, dia 15 de fevereiro

“Para mim esta questão é uma questão encerrada. E quando fiz a nota, fiz a nota conhecedor de todos os elementos fundamentais, todos os que era possível conhecer na altura em que fiz a nota, todos os dados que eram essenciais para fazer aquela nota”, disse à entrada para a apresentação de um livro, em Lisboa. “Está lá tudo exatamente o que penso sobre a matéria”, garantiu, dizendo que o “Presidente não é comentador, é Presidente. Os comentadores, comentam”.

António Costa

Segunda-feira, 20 de fevereiro

“Nada mais tenho a dizer”, disse à margem da quarta cimeira bilateral entre Portugal e Cabo Verde.

Sexta-feira, 17 de fevereiro

“A nossa relação é boa, como sempre foi”, afirmou ao Jornal de Notícias sobre a relação com o Presidente da República no seguimento deste caso.

Quinta-feira, 16 de fevereiro

“O quê, ainda andam com esse assunto? Ainda não ouviram o senhor Presidente da República? Isso já acabou tudo na segunda-feira”, disse António Costa aos jornalistas, à margem de um evento na Associação Empresarial da região de Lisboa (AERLIS), em Oeiras.

O mesmo foi reiterado pelo PCP e BE. Este domingo, depois da reunião do comité central, Jerónimo de Sousa disse ficar “imensamente preocupado, depois ter procurado dizer coisas sérias – pelos vistos não consegui -, que continue este folhetim da CGD“. Segundo a RTP, os comunistas ponderam até boicotar a nova comissão parlamentar de inquérito que o PSD e CDS já anunciaram que vão formar.

Já o Bloco de Esquerda tinha reagido na passada sexta-feira defendendo que “o problema ficou resolvido no ano passado”. “A polémica, tanto quanto consigo perceber, tem a ver com o facto de o anterior conselho de administração não querer entregar as declarações de rendimentos. É uma polémica que ficou resolvida no ano passado”, argumentou.

O próprio Partido Socialista tem seguido a linha de discurso de António Costa, com exceção no caso da atuação de Marcelo. Na quinta-feira, Carlos César veio dizer, em entrevista ao Público, que “interessa muito mais a CGD do que a vida atual de António Domingues”. Na sexta-feira, na sequência do anúncio de que o PSD e o CDS iam avançar para uma nova comissão — uma sugestão do Presidente do PS — o líder parlamentar dos socialistas acusou a direita: “não descansam enquanto não matarem a CGD”.

No final, fazendo as contas, são pelo menos duas mãos cheias de declarações a tentar, aparentemente com pouco sucesso, colocar um ponto final na polémica.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quantas vezes deram caso CGD por fechado? Dez vezes

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião