Perspetiva de acordo alivia juros da dívida grega

Os juros da dívida grega estão a descer depois de uma reunião do Eurogrupo ter trazido um tom otimista para a situação do país. A Grécia comprometeu-se com novas medidas e os credores gostaram.

As obrigações gregas a dois anos estão a valorizar, traduzindo-se numa queda acentuada nas taxas exigidas pelos investidores para comprar dívida grega perante a perspetiva de que haja um novo acordo com os parceiros europeus muito em breve. Essa indicação foi dada esta segunda-feira na reunião do Eurogrupo, um encontro entre os ministro das Finanças da União Europeia que precede o Conselho dos Assuntos Económicos e Financeiros (ECOFIN). Foi aí que o Governo grego se comprometeu em adotar mais medidas para cumprir os objetivos orçamentais.

A Grécia está perto de chegar novamente a acordo com os credores depois do Eurogrupo se ter mostrado otimista com os progressos gregos. Até o quase sempre crítico ministro das Finanças alemão fez declarações em tom otimista: “Acredito que as instituições vão encontrar uma posição conjunta e que chegaremos hoje ao momento em que a missão pode regressar a Atenas para obtermos resultados”.

O efeito da confiança dos credores na Grécia nota-se esta terça-feira nos mercados obrigacionistas. Os juros da dívida grega a dois anos estão a aliviar 1,5 pontos percentuais para os 7,973%. No final da semana passada, os juros com a mesma maturidade tinham chegado a superar a barreira dos 10%. Apesar desta melhoria, a pressão sobre a dívida grega por causa do diferendo com os credores deixa os juros longe de baixar dos 7%, valor que tinha sido atingido no final do ano passado.

A visão positiva foi dada também por Jeroen Dijsselbloem. O presidente do Eurogrupo, órgão que junta os ministros das Finanças da Zona Euro, afirmou que o FMI está “muito disposto a participar no programa”, com a exigência, que se mantém há muito, de que sejam implementadas reformas mais profundas em áreas como o mercado do trabalho e as pensões.

Contudo, o Fundo Monetário Internacional saudou as cedências feitas pela Grécia para sair do impasse com os credores e avançar no programa de assistência financeira, mas advertiu que são necessários “mais avanços”. “Nesta base, aceitámos o reenvio da missão” (com representantes dos credores) ao país, indicou o FMI num curto comunicado. Mais avisou: “São necessários mais progressos para resolver as divergências sobre outras questões importantes e é ainda muito cedo para se especular sobre a perspetiva de se chegar a acordo durante a missão”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Perspetiva de acordo alivia juros da dívida grega

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião