FMI: Banco mau? “Não há margem orçamental”

  • Rita Atalaia
  • 22 Fevereiro 2017

O Governo tem estudado várias soluções para o malparado, incluindo a criação de um veículo para "limpar" estes empréstimos tóxicos dos balanços dos bancos. Mas o FMI deixa claro: "Não há margem"

O Fundo Monetário Internacional (FMI) diz que “não há margem orçamental” para se financiar o chamado “banco mau”, uma solução que está a ser estudada pelo Governo para resolver o problema do malparado. O fundo liderado por Christine Lagarde diz, na quinta avaliação a Portugal, que é essencial que os bancos sejam capazes de angariar capital privado. Isto porque o nível elevado de dívida pública não deixa margem para que esta solução seja viável. Mais, o FMI diz que tem dúvidas de que houvesse investimento privado suficiente sem um esforço ambicioso por parte dos bancos, uma vez que seria difícil avaliar o valor dos ativos.

"O nível elevado de dívida pública não deixa margem orçamental que permita o financiamento público de um banco mau”

Fundo Monetário Internacional

O nível elevado de dívida pública não deixa margem orçamental que permita o financiamento público de um banco mau“, diz o FMI na quinta avaliação a Portugal. O fundo deixa assim claro que não apoia a solução que está a ser estudada pelo Executivo de António Costa. Ou seja, a criação de um veículo para limpar o malparado dos balanços das instituições financeiras nacionais.

O FMI diz que é “essencial que os bancos sejam capazes de angariar capital privado. Uma avaliação abrangente, incluindo alterações à estrutura de governance interna, anularia a incerteza em torno do crédito malparado e dos critérios usados para empréstimos futuros”.

“Há várias soluções que estão a ser estudadas e pensadas, também com o Banco de Portugal e o Governo. É um processo em curso”, disse Pedro Nuno Santos ao ECO. O secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares disse que “esperemos que, a breve prazo, possamos ter uma resposta para um problema que é um constrangimento à concessão de crédito ao nosso sistema bancário às nossas empresas. E é por isso um bloqueio também a algum investimento e ao desenvolvimento da nossa economia”.

O FMI tem “dúvidas de que surja investimento privado suficiente sem que haja esforços credíveis e ambiciosos por parte dos bancos, considerando a dificuldade em avaliar o valor dos ativos”. A criação do banco mau não é pacífica na medida em que existe quem duvide da sua exequibilidade e da adequação às reais necessidades da banca, com os bancos a rejeitarem liminarmente uma solução que prejudique mais os rácios de capital.

Apesar do modelo do banco mau não estar ainda definido, o que está mais avançado passa pela compra ao valor do balanço (book value) do malparado da banca. Há interessados em comprar o malparado dos bancos ao valor a que estão registados, ou seja, sem ser necessário registar imparidades adicionais. O que levaria a que o impacto nos rácios dos bancos fosse nulo. A acontecer, permitiria uma injeção direta de 15 mil milhões de euros na economia que poderia libertar 75 mil milhões.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

FMI: Banco mau? “Não há margem orçamental”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião