Yellen: Juros devem subir “muito em breve”

  • Rita Atalaia
  • 22 Fevereiro 2017

A Reserva Federal dos EUA está cada vez mais confiante de que poderá subir as taxas de juro. E alerta: aumento pode acontecer "muito em breve", uma vez que a economia está cada vez mais forte.

Janet Yellen já tinha alertado que era “imprudente” esperar demasiado tempo para subir os juros, num cenário de crescimento e aceleração dos preços. E nas minutas da mais recente reunião da Reserva Federal dos EUA (Fed), a presidente do banco central vai mais longe: esta subida vai acontecer “muito em breve”. E porquê? Para evitar o risco de um sobreaquecimento da economia, defendem os responsáveis do banco central dos EUA. Isto numa altura em que estão cada vez mais confiantes de que a economia está suficientemente forte para suportar um aumento dos custos de financiamento.

Muitos responsáveis disseram que pode ser adequado subir as taxas de juro novamente muito em breve, caso os próximos dados sobre o mercado laboral e a inflação fiquem em linha ou sejam mais fortes do que as expectativas“, lê-se nas minutas da mais recente reunião da Fed, citadas pela Bloomberg. Isto depois de a presidente do banco central ter deixado claro que será “imprudente” esperar demasiado tempo para subir os juros, num cenário de crescimento e aceleração dos preços.

"Muitos responsáveis disseram que pode ser adequado subir as taxas de juro novamente muito em breve, caso os próximos dados sobre o mercado laboral e a inflação fiquem em linha ou sejam mais fortes do que as expectativas”

Reserva Federal dos EUA

Os documentos divulgados esta quarta-feira mostram também que os planos orçamentais de Donald Trump foram discutidos, assim como a subida do dólar. Incertezas que não afastam a possibilidade de uma subida gradual das taxas de juro nos EUA. No último encontro, os responsáveis decidiram não mexer nos juros. Na altura, a entidade liderada por Janet Yellen deu poucas indicações relativamente à data em que poderá vir a aumentar os custos de financiamento, perante a incerteza gerada em torno da nova administração de Trump.

Mas agora pode estar “para breve”, diz o banco. A presidente da Fed sublinhou ainda este mês que “nas próximas reuniões, o comité vai avaliar até que ponto o emprego e a inflação continuam a evoluir em linha com as expectativas e, no caso disso, ajustamentos às taxas de referência serão apropriados”.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Yellen: Juros devem subir “muito em breve”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião