Ações da Galp aceleram com potencial de valorização de 30% da Bernstein

Bernstein prevê valorização de 30% dos títulos da Galp com ajuda da atividade no Brasil. Ações da petrolífera avançam de forma expressiva em dia de perdas na bolsa portuguesa.

As ações da Galp GALP 0,00% estão a contrariar o desempenho negativo da bolsa nacional, apresentando um ganho de quase 2%, depois de a casa de investimento Bernstein ter melhorado a estimativa para o título da petrolífera nacional onde antecipa um potencial de valorização de 30% até aos 17,7 euros.

Os títulos já estiveram a subir 1,99% para os 13,855 euros na manhã desta quinta-feira, tendência que entretanto esvaneceu ligeiramente para uma alta de 1,55% para os 13,80 euros. E isto num dia negativo para a bolsa nacional. O PSI-20, o principal índice português, perde 0,2% para 4.659,99 pontos.

A Bernstein aumentou o preço-alvo da Galp dos 14 euros para os 17,7 euros e melhorou também a recomendação de “market-perform” para “outperform”, refletindo a “incorporação de dados positivos adicionais em relação aos desenvolvimentos no pré-sal brasileiro”. Mais concretamente, a casa de investimento destaca a aceleração e reforço da produção nos FPSO (Unidade flutuante de armazenamento e transferência) brasileiros, assim como uma melhoria nos fatores de recuperação.

Com isto em mente, “esperamos um crescimento de produção de 32% em 2017 e um crescimento médio anual de 25% até 2020”, referiram os analistas Oswald Clint, Mark Tabrett e Supriya Subramanian, que assinam a nota da Bernstein.

“A inflexão do fluxo de caixa livre surgirá em 2048, mas deverá surpreender em 2017. Os fluxos de caixa livre serão usados para comprar mais recursos no Brasil em 2017 nos leilões ou no uso de direitos de preferência”, acrescentam os analistas, antecipando uma subida do atual nível de dividendos de 0,50 euros ou recompra de ações com o excesso de caixa que a Galp produzirá.

A Bernstein destaca ainda que a Galp continua a ser o único caso de investimento na Europa e “está barata face ao desempenho histórico de todas as métricas”.

A Galp registou um lucro de 483 milhões de euros em 2016, um resultado que fica 24% abaixo do alcançado no ano anterior e que reflete sobretudo as imparidades registadas na operação em Angola. No Capital Markets Day, que decorreu esta semana em Londres, Carlos Gomes da Silva apresentou aos investidores o plano estratégico da empresa para os próximos cinco anos onde prevê um crescimento do EBITDA em torno de 20% ao ano até 2021.

Além disso, a petrolífera vai investir até cinco mil milhões para duplicar a produção, com o foco virado sobretudo para o petróleo no Brasil e o gás natural em Moçambique.

Nota: A informação apresentada tem por base a nota emitida pelo banco de investimento, não constituindo uma qualquer recomendação por parte do ECO. Para efeitos de decisão de investimento, o leitor deve procurar junto do banco de investimento a nota na íntegra e consultar o seu intermediário financeiro.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ações da Galp aceleram com potencial de valorização de 30% da Bernstein

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião