A nuvem da independência escocesa afunda a libra

  • ECO
  • 27 Fevereiro 2017

Valor da libra desce em relação ao euro e ao dólar sob a ameaça de um novo referendo pela independência da Escócia, no seguimento do Brexit.

A independência da Escócia continua a pairar como uma nuvem de mau agoiro sobre o governo de Theresa May, que já tem bastante com que se preocupar na preparação do Brexit. A primeira-ministra escocesa Nicola Sturgeon veio ameaçar que pode levar em frente um novo referendo sobre a permanência no Reino Unido, pesando na moeda britânica.

A moeda britânica caiu 0,38% para 1,2415 dólares, estando a ceder 0,56% face ao euro (para 1,1731 euros). Isto aconteceu na sequência de o jornal The Times ter citado fontes do governo britânico que garantiram que Theresa May se estava a preparar para aceitar um novo voto dos escoceses, mas só depois de o Reino Unido sair da União Europeia.

A Câmara dos Lordes começa esta segunda-feira uma longa análise da lei que autorizaria May a dar início à retirada do Reino Unido do bloco europeu, e se Nicola Sturgeon, a primeira-ministra escocesa, quiser pedir um novo referendo, este pode vir a realizar-se no verão de 2018, ou seja, precisamente a meio das negociações britânicas com a UE.

É já no próximo mês que tem início o processo de saída formal do Reino Unido da União Europeia e, segundo o jornal The Scotsman, Theresa May pode rejeitar o pedido do segundo referendo escocês. Aliás, já no dia 8 deste mês uma porta-voz da primeira-ministra tinha vindo mostrar-se contra uma segunda ronda na opinião dos escoceses: “Já houve um (referendo). Foi claro, decisivo, legal e ambos os lados acordaram aceitar os resultados”. Referia-se à votação de 2014 em que 55% dos escoceses votaram a favor da manutenção da Escócia no Reino Unido, contra 45% que votaram a favor da saída.

No entanto, esse novo referendo ainda pode chegar a acontecer. “Uma tal decisão poderia causar uma crise constitucional”, avisa o The Scotsman. O jornal refere que alguns ministros têm vindo a ser avisados de que se May concordar com o referendo, então arrisca quebrar o Reino Unido devido a um “atirar a moeda ao ar” em que tanto pode sair independência ou permanência na União Europeia.

De notar que em janeiro, o Supremo Tribunal britânico tinha chegado à conclusão de que, ainda que May tenha tido de se submeter ao parlamento britânico para avançar com o Brexit, os outros parlamentos, da Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte, não teriam de ser consultados para a decisão.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

A nuvem da independência escocesa afunda a libra

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião