Dividendos põem Lloyds em máximos desde o Brexit

Banco britânico mais do que duplicou lucros e propôs subida do dividendo. Ações respondem com ganhos até máximos desde que o Reino Unido decidiu sair da União Europeia.

Dobro dos lucros e aumento dos dividendos. O Lloyds apresentou um bom resultado em 2016 e as ações do banco estão a subir para o nível mais elevado desde que os britânicos votaram a favor da saída do Reino Unido da União Europeia.

As ações do banco liderado por António Horta Osório sobem mais de 4% para 69,76 pence, a cotação mais alta desde o dia 23 de junho do ano passado.

O Lloyds mais do que duplicou o lucro antes de impostos (158%) para os 4,2 mil milhões de libras (quatro mil milhões de euros) em 2016, face aos 1,6 mil milhões de libras de lucro registados um ano antes. Um desempenho que permitiu à gestão propor um aumento da remuneração aos acionistas: vai subir o dividendo em 13% para um total de 3,05 pence por ação — estão previstos um dividendo 2,55 pence e um dividendo extraordinário de 0,5 pence.

Lloyds em máximos desde o Brexit

“Apresentamos um desempenho financeiro forte em 2016, mantendo bons progressos nas nossas prioridades estratégicas. A forte geração de capital permitiu-nos aumentar o nosso dividendo em 13%, pagar um dividendo especial e cobrir totalmente o impacto da aquisição da MBNA”, referiu António Horta Osório.

"Apresentamos um desempenho financeiro forte em 2016, mantendo bons progressos nas nossas prioridades estratégicas. A forte geração de capital permitiu-nos aumentar o nosso dividendo em 13%, pagar um dividendo especial e cobrir totalmente o impacto da aquisição da MBNA.”

António Horta Osório

CEO do Lloyds Banking

Um dos maiores pontos de atenção da parte dos investidores passava pelos números que o Lloyds iria apresentar em relação à margem financeira — a diferença entre os juros cobrados nos empréstimos e os juros pagos nos depósitos — num ambiente em que os juros no Reino Unido estão em mínimos históricos.

O banco revelou que a margem financeira deverá subir 2,7% este ano, sem contar com o negócio de cartões de crédito MBNA adquirido em 2016 ao Bank of America.

“Os investidores estavam preocupados com as margens. Por isso, reforçar o compromisso foi positivo tendo em conta este ambiente de queda dos juros”, referiu Eric Moore, da Miton Group, à Bloomberg. “Os dados saíram melhor que os investidores esperavam”, acrescentou.

Isto acontece numa altura em que o Governo britânico continua a reduzir progressivamente a sua posição no banco intervencionado em 2008. Chegou a assumir uma participação de 43%, mas hoje em dia a sua presença fixa-se nos 4,99%, tendo o Lloyds como principal acionista o fundo BlackRock.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Dividendos põem Lloyds em máximos desde o Brexit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião