Crescimento de 2016 não faz FMI mudar de ideias

  • Marta Santos Silva
  • 22 Fevereiro 2017

Fragilidades como a baixa taxa de poupança das famílias e o fraco investimento privado fazem com que o Fundo Monetário Internacional mantenha previsões conservadoras para o crescimento a médio prazo.

O FMI mantém as suas previsões de crescimento a médio prazo para Portugal, apesar do salto “bem-vindo” no terceiro trimestre de 2016. Embora suba ligeiramente a previsão para 2016 e 2017 para 1,3%, a quinta avaliação pós-programa do Fundo Monetário Internacional assinala que, a médio prazo, o endividamento das empresas e a fraca taxa de poupança das famílias vão pôr um travão no aumento sustentado do crescimento.

“A médio prazo, o sobre-endividamento das empresas e níveis baixos de concessão de empréstimos deverão continuar a dificultar o investimento, enquanto os níveis baixos de poupança das famílias limitam as hipóteses de o consumo continuar a mover o crescimento”, lê-se no documento produzido pelos técnicos da instituição que é uma das credoras de Portugal. “Sendo assim, a projeção de crescimento a médio termo mantém-se inalterada, nos 1,2%”.

No entanto, o FMI também reconhece que a curto prazo os riscos para o crescimento são moderados e que há sinais positivos “da recuperação do emprego e modesta melhoria no investimento” que se verificaram no final de 2016. Para o Fundo Monetário Internacional, o setor do turismo mantém-se “um ponto brilhante”, embora com um crescimento apenas moderado no resto das exportações. A curto prazo, assim, os técnicos do FMI consideram que em 2016 e 2017 as perspetivas de crescimento deveriam ser revistas em alta.

O Governo português, assinala o relatório, acredita que a aceleração do PIB no terceiro trimestre de 2016 é sinal de uma “mudança sustentável para um caminho de maior crescimento”. Para o Executivo de António Costa, o começo mais fraco do ano devia-se a circunstâncias externas e a fatores que não se repetiriam. “As autoridades [portuguesas] assinalaram que a aceleração do crescimento fornecia uma base mais forte para as presunções macroeconómicas que sustentam o Orçamento do Estado para 2017 — crescimento de 1,2% em 2016 e de 1,5% em 2017”.

Os números mais recentes do INE já mostraram que a economia portuguesa cresceu mais do que o esperado, chegando aos 1,9% no último trimestre do ano e fechando 2016 com um crescimento de 1,4% — mais do que o que previam tanto o Governo como a Comissão Europeia.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Crescimento de 2016 não faz FMI mudar de ideias

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião